Supermercados descartam queda de preços

O presidente da Associação Paulista de Supermercados (APA), Sussumu Honda, disse hoje que o setor está aberto ao diálogo com a indústria. Mas não acredita que resultará em queda de preços ao consumidor, mesmo com a redução de 2,5 pontos na Selic, a taxa básica de juros da economia. A taxa passou de 24,5% ao ano para 22% ao ano. Segundo o executivo, para os atuais níveis de demanda, os preços já estão bastante deprimidos. Honda descartou, assim, qualquer aumento dos preços provocado por demanda. Ele ressaltou que em julho a receita do setor declinou 7%, um fato preocupante, já que as vendas da cadeia alimentar são normalmente as últimas a cair. Os preços no varejo devem ser mantidos durante todo o segundo semestre, pois não há espaço nem para recuo nem para aumentos. "Com as vendas em queda e a perda de renda, de 16%, não há como fazer qualquer movimento", reiterou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.