Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Supermercados liquidam e puxam alta do comércio, diz IBGE

Após último trimestre negativo, comércio varejista vende 6% a mais e acumula alta de 8,7% em 12 meses

Jacqueline Farid, da Agência Estado,

13 de março de 2009 | 09h13

As vendas do comércio varejista aumentaram 6% na comparação de janeiro deste ano com o mesmo mês em 2008, segundo divulgou nesta sexta-feira, 13, o IBGE. Em 12 meses, as vendas acumularam alta de 8,7%. Após um trimestre negativo, o comércio varejista inicia 2009 com crescimento de 1,4% em janeiro, ante dezembro de 2008, na série com ajuste sazonal, informa o IBGE. O resultado surpreendeu as estimativas. Segundo, analistas ouvidos pelo AE Projeções, a previsão era de queda de 1,6% a uma alta de 0,3%, com mediana de -0,11%.

 

O aumento de 6% nas vendas do varejo em janeiro ante igual mês de 2008 foi puxado especialmente pela atividade de hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que responderam por 3,4 ponto porcentual, ou 41% da expansão total do comércio nessa comparação. Segundo o técnico da coordenação de comércio e serviços do IBGE Reinaldo Pereira, a massa salarial continuou em alta em janeiro, o que prosseguiu ajudando o desempenho do varejo, sobretudo nos supermercados. 

 

Veja também:

linkComércio terá uma das piores fases desde 2ª Guerra Mundial

linkDe olho nos sintomas da crise econômica especial

linkDicionário da crise especial

linkLições de 29

linkComo o mundo reage à crise especial 

 

Segundo ele, a desaceleração ou queda nos preços de alguns dos alimentos também podem estar contribuindo para o bom desempenho do segmento supermercadista. Além disso, segundo ele, é provável que os consumidores estejam um pouco menos pessimistas do que no final do ano passado.

 

Pereira avalia que a alta de 1,4% nas vendas do comércio varejista em janeiro ante dezembro de 2008 pode ser atribuída às promoções realizadas no comércio após o Natal. Segundo Pereira, a crise econômica elevou os estoques nas lojas no último trimestre do ano passado, o que levou à liquidações no início deste ano. As únicas atividades que registraram queda nas vendas em janeiro ante dezembro foram equipamentos de escritório e informática (-12,5%) e combustíveis e lubrificantes (-0,7%).

 

O técnico do IBGE destacou ainda que a alta de 6,0% nas vendas em janeiro ante igual mês do ano passado representou a menor expansão, para o primeiro mês do ano, desde janeiro de 2004. Em janeiro de 2008, as vendas do varejo tinham aumentado 11,8%, o melhor resultado da série iniciada em 2001. Segundo Pereira, essa base de comparação elevada influenciou a desaceleração do crescimento em janeiro de 2009, mas houve também influência da crise. "Acredito que, sem a crise, a perda de ritmo não seria tão forte", disse.

 

A receita nominal do comércio varejista cresceu. Em relação a janeiro de 2008, a alta foi de 11,9%; nos últimos 12 meses, chegou a 14,7%. O IBGE informa ainda que o volume de vendas de sete das dez atividades pesquisadas também cresceu, com destaque para o setor de veículos e motos, partes e peças (11,1%); livros, jornais, revistas e papelaria (7,6%); móveis e eletrodomésticos (7,1%).

 

Na comparação com janeiro de 2008, caiu o volume de vendas de apenas uma atividade do varejo: tecidos, vestuário e calçados (–4,7%). As maiores altas, considerando o mesmo período, foram: 23,9% para livros, jornais, revistas e papelaria; 7,0% para Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo; 6,3% para móveis e eletrodomésticos; 15,4% para equipamentos e material para escritório, informática e comunicação; 8,9% para artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos; 3,8% para combustíveis e lubrificantes; 5,0% em outros artigos de uso pessoal e doméstico.

 

Texto ampliado às 10h28

Tudo o que sabemos sobre:
IBGEcomérciovarejo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.