Suplicy defende que governo adote medidas para câmbio

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) defendeu nesta quinta-feira, em Porto Alegre, que o governo brasileiro tome medidas contra a queda do dólar, que ontem atingiu a menor cotação (R$ 2,664) de 2005. Em entrevista veiculada pelo portal do PT na internet, ele afirmou que o aumento do volume de reservas em moeda estrangeira, associado à meta de redução gradual da taxa de juros, contribuiria para impedir uma valorização excessiva do real, considerada prejudicial às exportações brasileiras.O parlamentar acrescentou que um aumento no volume de reservas, por meio de uma "composição de dólar e euro", seria importante para o Brasil se prevenir contra eventuais crises internacionais."Do ponto de vista do governo brasileiro, o importante é que sejam tomadas medidas de precaução para que, no caso de haver alguma crise no sistema financeiro e monetário internacional, a economia brasileira esteja resguardada", disse Suplicy, ao chegar no Ginásio Gigantinho, na capital gaúcha, onde o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva lança a campanha "Chamada Global para a Ação Contra a Pobreza", durante o Fórum Social Mundial.De acordo com o senador petista, a queda do dólar tem "muito a ver" com o tamanho do déficit do governo dos Estados Unidos, mesmo com a postura conservadora do presidente norte-americano George W. Bush e suas sinalizações de que vai realizar um esforço para um maior equilíbrio fiscal.Para Suplicy, o atual desequilíbrio nos EUA é, em boa parte, produto dos gastos com a defesa, que têm sido um rombo no orçamento do País e também nas contas externas norte-americanas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.