Fábio Motta/ Estadão
Fábio Motta/ Estadão

Susep cria ferramenta para comparar fundos previdenciários e elevar concorrência

Além de auxiliar o consumidor na escolha do plano de previdência ideal, projeto também traz o índice de performance de cada fundo e sua evolução ao longo do tempo

Mariana Durão, O Estado de S. Paulo

02 de março de 2020 | 17h47

RIO - Empenhada em elevar o nível de transparência e a concorrência no setor, a Superintendência de Seguros Privados (Susep) criou uma ferramenta de comparação das performances dos fundos de investimento previdenciários. Antes compiladas em planilhas pouco amigáveis, as informações de 1.365 fundos estarão disponíveis no portal da autarquia e poderão ser cruzadas a partir de amanhã. O objetivo é ajudar o consumidor a escolher seu plano de previdência e acompanhar sua evolução.

O sistema criado pela Susep traz 21 classes de fundos previdenciários - entre multimercados, de ações e renda fixa - seguindo a tipificação da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima). Além de fazer comparações da rentabilidade entre os fundos, o investidor vai poder verificar também sua performance ante referenciais como o CDI, o Ibovespa e o Índice de Mercado Anbima (IMAB).

Os resultados estão organizados em períodos de observação de 12, 18 ou 24 meses e serão atualizados mensalmente - não mais a cada quatro meses. O sistema vai permitir a comparação de até cinco fundos por vez, com visualização da rentabilidade em gráficos. A ideia é que as empresas tenham que se esforçar mais para disputar esse mercado.

"A ferramenta era rudimentar. Agora está mais amigável e interativa. A motivação é dar mais transparência e apostar na meritocracia, com o consumidor premiando os melhores fundos", diz Eduardo Fraga, diretor técnico da Susep.

O banco de dados inclui ainda o índice de performance de cada fundo, calculado a partir de dados como taxa de juros e tábua biométrica (instrumento que mede a mortalidade ou probabilidade de entrada em invalidez). Isso porque o desempenho final de um produto de previdência não se limita à rentabilidade do fundo de investimento onde o participante aplica seus recursos. Também devem ser levadas em conta as bases técnicas para conversão em renda vitalícia - ou seja, as condições para o investidor que pretende transformar o patrimônio acumulado em aposentadoria.

Apesar da entrada de plataformas de investimento, como XP e Guide, no mercado de previdência privada nos últimos anos, Fraga diz que esse ainda é um mercado muito concentrado nos grandes conglomerados financeiros. "A prioridade da Susep é aumentar a concorrência", completa.

A Susep alerta que a listagem de fundos divulgada em seu site não representa sugestão de investimento. Destaca ainda que a rentabilidade passada de um fundo não é garantia de rentabilidade futura.

Desempenho

Em 2019, o retorno médio dos fundos de previdência privada foi de 11,1%, contra 7,5% em 2018. O porcentual foi equivalente a 186,1% do CDI, segundo análise do mercado de PGBL/VGBL feita pela consultoria Prevue. No ano, cerca de 82% desses fundos conseguiram retornos acima do indicador de referência.

O melhor desempenho foi puxado por fundos de investimento de renda fixa com papéis de longo prazo indexados à inflação na carteira e por aqueles com renda variável na carteira em proporções superiores a 30%. Segundo a Prevue, esses fundos de investimentos terminaram o ano de 2019 com um patrimônio total de R$ 901,6 bilhões, distribuídos em diversas modalidades, inseridas basicamente em fundos de renda fixa, multimercados, balanceados e data-alvo.

Reclamações

A partir desta segunda-feira, 2, a Susep passa também a divulgar um índice de reclamações das seguradoras. O levantamento leva em consideração as ocorrências registradas na autarquia e a participação das empresas no mercado (market share). Na primeira edição, o índice de reclamações traz os dados consolidados de 2019 e 2018. A avaliação abrange 114 empresas ou grupos que possuem participação de mercado superior a 0,2%. Os resseguradores e sociedades de capitalização não foram incluídos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.