finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Susep regula nova apólice de seguros

Uma apólice de seguro bem mais flexível que as atuais foi regulamentada pela Superintendência de Seguros Privados (Susep) na semana passada, mas o consumidor não terá acesso a ela, por enquanto. Para o produto conquistar o mercado, o governo terá de reduzir o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), de 7%.A nova apólice tem as mesmas características da classificada como universal life no exterior. Ela permite que o consumidor pague o prêmio (preço do seguro) da maneira que desejar, com ou sem interrupção em determinados períodos. Assim, pode, por exemplo, pagar durante seis meses, parar três e retomar os pagamentos, arcando apenas com o ajuste do valor das coberturas ao montante da reserva. "É um seguro que se assemelha aos fundos de previdência privada do tipo PGBL", lembra o vice-presidente da Real Seguros, Valter Hime, referindo-se aos Planos Geradores de Benefícios Livres.A nova modalidade tem portabilidade, ou seja, permite que o segurado troque de seguradora sem perda dos benefícios. Isso torna possível a saída de uma instituição que ofereça baixa remuneração. O segurado também pode efetuar saques após os primeiros seis meses, em parcelas de até R$ 900,00.Tributação é altaDe acordo com Hime, trata-se de um seguro de vida com forte aceitação no mercado mundial, mas sem condições de ser adotado no Brasil no momento, por causa da tributação. "O IOF de 7% torna inviável a adoção desse tipo de seguro aqui." Há dois anos, o IOF era de 2%. Por isso, o executivo acredita que o governo eliminará o empecilho. "Com essa barreira, essa apólice não compensa, porque, considerada a taxa de juros reais de 10% ao ano, o segurado ficaria com um rendimento de apenas 3%."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.