Suspeita de aftosa leva Brasil a fechar fronteira com Paraguai

O ministro da Agricultura, Pratini de Moraes, anunciou hoje o fechamento da fronteira do Brasil com o Paraguai, devido à suspeita de ocorrência de febre aftosa na província de Canindeyu, no município de Corpus Christi, que faz divisa com o Mato Grosso do Sul. O ministro disse ainda que encaminhou pedido hoje ao Ministério da Defesa para que o Exército faça a vigilância nas áreas fronteiriças para evitar a ocorrência de focos de aftosa no Brasil, como os ocorridos em 1998 e 1999, no Mato Grosso do Sul, e no Rio Grande do Sul em 2000 e no ano passado. Com a decisão do governo brasileiro ficam proibidas as importações de animais vivos suscetíveis à aftosa, produtos e subprodutos. A informação sobre suspeita de aftosa no Paraguai foi comunicada ao Ministério da Agricultura na noite de ontem, por meio de correspondência enviada pelo presidente do Serviço Nacional de Controle e Sanidade Animal do Paraguai (Senacsa), Geraldo Bogado. O diretor do Departamento de Defesa Animal do Ministério da Agricultura, João Mauad Cavalléro, também pediu que o Centro Panamericano de Febre Aftosa intermedie a realização de uma reunião de emergência, com a participação do representantes dos governos brasileiro e paraguaio. A sugestão é para que a reunião ocorra no dia 27 próximo, em local a ser escolhido pelo Paraguai. Em maio do ano passado o Brasil fechou a fronteira com o País vizinho também por suspeita de febre aftosa. Em janeiro deste ano o Ministério da Agricultura permitiu o ingresso de bovinos vivos daquele País, mediante a realização de teste sorológico e quarentena tanto na origem como no ponto de destino dos animais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.