Suspensa negociação de 66 empresas nas bolsas da China

Terremoto que matou pelo menos 10 mil mortos é o responsável pela suspensão

Efe,

13 de maio de 2008 | 03h11

O forte terremoto registrado na segunda-feira, 12, na província sudoeste chinesa de Sichuan, com um saldo de pelo menos 10.000 mortos, também obrigou a suspensão da negociação em bolsas nacionais de até 66 empresas da região, informou nesta terça-feira, 13, a agência Xinhua. Veja também:De Pequim, Cláudia Trevisan fala sobre o terremoto Jovens soterrados por terremoto na China 'gritavam por ajuda'Bush oferece ajuda às vítimas de terremoto na ChinaPremiê chinês pede 'calma, confiança, coragem e organização' Fotos do terremoto  Caminho da tocha pode ser mudado após terremoto na ChinaVídeo com imagens do terremoto  As companhias afetadas são de Sichuan e do município vizinho de Chongqing, e somam 45 na Bolsa de Xangai e 21 na de Shenzhen, entre elas Sichuan Road and Bridge, Huiyuan Optical Communication e Datong Gas, em seus nomes internacionais em inglês. Os mercados suspenderam a cotação depois de não terem conseguido se conectar com essas empresas após o terremoto, enquanto fontes vinculadas ao pregão de Xangai revelaram que esperam restabelecer a comunicação com elas nos próximos dois dias, e que a informação relevante para o mercado será publicada na quarta-feira. O terremoto, de 7,8 graus na escala Richter, teve seu epicentro no condado de Wenchuan, ontem às 14h28 local (3h28 de Brasília). O pior terremoto sofrido pela China nas últimas décadas foi o que em 1976 atingiu a cidade de Tangshan, cerca de 200 quilômetros ao sudeste de Pequim, de 7,8 graus de magnitude e que causou entre 240 mil e 280 mil mortos.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinaterremotobolsa de valores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.