Suspensos os negócios da Varig na bolsa

A Bolsa de Valores de São Paulo informou hoje que suspendeu os negócios com ações de empresas do grupo Varig, para aguardar esclarecimentos sobre o pedido de recuperação judicial adotado hoje, medida prevista na nova lei de falências.Os advogados da companhia aérea entraram hoje na 8ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro com a medida cautelar que impede a apreensão de aviões. A recuperação judicial suspende todos os eventuais pedidos de execução da companhia, como por exemplo um pedido de falência ou arresto de bens, até que seja apresentado em juízo, no prazo improrrogável de 60 dias, o plano de recuperação que será proposto aos credores.De acordo com o advogado Sérgio Bermudes, a Varig está recorrendo aos benefícios da nova lei, que extinguiu a figura da concordata. "A nova legislação permite que uma empresa em dificuldades exponha as causas de sua situação e apresente as suas alternativas de recuperação que, no caso, são várias", disse.A medida cautelar para impedir que sejam retomados, por falta depagamento, 11 aviões adquiridos por leasing tem, segundo o advogado, oobjetivo de permitir que a Varig continue operando normalmente.Veja como é a nova Lei de Falência

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.