Sérgio Castro|Estadão
Sérgio Castro|Estadão

SUVs pequenos movimentaram o mercado

Marcas como Jeep, Honda e Peugeot tomaram espaço que era dominado pelo Ford EcoSport

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2015 | 03h00

O lançamento de utilitários-esportivos (SUVs) compactos nacionais foi o que mais mexeu com o mercado. Antes dominado pelo Ford EcoSport, o segmento ganhou concorrência do Jeep Renegade, Honda HR-V e Peugeot 2008. Renegade e HR-V têm fila de espera de um a três meses. Em setembro, ambos entraram na lista dos dez carros mais vendidos no País. O Renegade inaugurou em Goiana (PE) a fábrica da Jeep, do grupo Fiat Chrysler. As operações começaram em abril com 4,5 mil funcionários no complexo que também abriga um parque de fornecedores. Hoje, tem 7 mil pessoas.

A Honda opera com 2,5 horas extras por dia na fábrica de Sumaré (SP), onde produz o HR-V desde março. O modelo já é o mais vendido da marca. Em 2016 o grupo inaugura nova unidade em Itirapina (SP).

Para Milad Kalume Neto, da Jato, 2016 não deve ser muito diferente deste ano em quantidade de lançamentos, principalmente no segmento premium, “que vai continuar em ebulição”. Martin Bodewig, da Roland Berger, acrescenta que “na crise, a última área em que uma empresa economiza é a de produtos”.

Entre as novidades para 2016 estão a picape Fiat Toro, que será feita em Goiana e o novo Fiat Uno – talvez o único lançamento entre os carros de entrada, com produção em Betim (MG). Também chegam o Renault Captur, que será feito em São José dos Pinhais (PR) e os importados Hyundai IX25 e JAC T5.

Nova leva de carros hoje importados passará a ser produzida no Brasil. Além do A3, a Audi fará o Q3 no Paraná. A Mercedes-Benz vai inaugurar sua fábrica no interior de São Paulo com o Classe C e depois o GLA. A Land Rover vai produzir em Itatiaia (RJ) o Evoque e o Discovery Sport. 

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.