Suzano e Bahia Sul puxam alta do setor

O segmento de papel e celulose liderou os ganhos da semana de 13 a 20 de setembro, de acordo com pesquisa da Economática para a Agência Estado. A valorização de 2,7% foi puxada pela alta de 5,6% dos papéis PN da Suzano e de 5,1% das ações PNA da Bahia Sul. Na semana passada ocorreu o leilão de permuta das ações da Suzano pelas PNA da Bahia Sul.A Suzano comprou um terço das ações da Bahia Sul no leilão. Foram computadas 682,177 milhões de ações na operação, mas nesse lote estão incluídos os 597.457.036 de papéis vinculados à ofertante Suzano, como o BNDES. A controladora precisava de adesão de dois terços dos acionistas que se habilitaram para conseguir tirar a Bahia Sul da Bolsa.A oferta de permuta teve habilitação de 252.440.481 ações preferenciais da controlada (classe A mais B), mas, desse total, apenas 157.385.348 ações foram registradas ao preço inicial proposto, ou 62,35%. A Suzano pretende voltar a mercado para tentar novamente fechar o capital de sua controlada Bahia Sul.As ações preferenciais da Klabin avançaram 3,3% no período. A segunda maior alta ficou com o segmento de Alimentos e bebidas. As ações ON da Chapecó lideraram os ganhos, com alta de 13,6%, enquanto os papéis ON da Seara avançaram 8,6%.Na semana passada foram encontrados traços de um antibiótico proibido na Europa em lotes exportados pelo Brasil. O setor de mineração ficou com a terceira maior alta, de 1,4%. Os papéis PNA da Vale avançaram 5,5% e os da Caemi subiram 0,5%. As ações da Vale refletiram a alta do dólar no período. Na semana passada a moeda norte-americana chegou próximo do recorde do real.Petrobrás e BR distribuidora derrubam setorO setor de construção apontou recuo de 10,5% na semana de 13 a 20 de setembro, segundo a pesquisa. Os papéis PN da Sultepa, únicos do setor a apresentar negócios no período, foram os responsáveis. A queda de 11,3% das ações PN da Petrobrás Distribuidora e o recuo de 9,2% das preferenciais da Petrobrás levaram à queda de 8,1% do setor de petróleo e gás. Os papéis da Comgás recuaram 6,8% no período.Na semana passada os preços do petróleo no mercado internacional refletiram o temor de um conflito armado entre Estados Unidos e o Iraque. Os preços chegaram a cair com a decisão do Iraque de aceitar inspetores de armas da ONU e afetaram os papéis da Petrobrás. Além do cenário externo do petróleo, a Petrobrás sofre com o temor de risco político. A terceira maior queda setorial ficou com o segmento de eletroeletrônicos, que recuou 6,3%, puxado pelas ações PN de Inepar.Veja as maiores altas e baixas setoriais na semana de 13 a 20 setembro. Confira também as variações no mês e no ano, segundo dados da Economática.SetorAnomêsSemanaPapel22,70,22,7Alimentos-20,4-0,51,9Mineração36,25,61,4Textil15,61,30,7Máq.Ind.29,57,4-0,2Outros-5,6-9-1,2Veiculos18,512,4-1,5Sid/Metal30,7-1,9-1,6MinñMet-0,3-2,6-2,1Química10,8-4,4-2,5Comércio24,7-0,1-3,3Bancos0,9-8,8-3,4Transporte-15,1-5,6-3,6Energia-28,7-9,6-4,1Telecom-28,1-3,7-4,9Eletroelet-64,5-14,5-6,3Petróleo-12,3-6,6-8,1Construção-48-17,7-10,5

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.