Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Tabela do frete pode ser prejudicial aos caminhoneiros, diz ministro da Fazenda

Para Eduardo Guardia, medida vai verticalizar a atividade nas empresas, reduzindo a demanda por frete

André Ítalo Rocha e Francisco Carlos de Assis, O Estado de S.Paulo

18 Junho 2018 | 15h23

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou nesta segunda-feira, 18, que o tabelamento do frete poderá ser prejudicial aos caminhoneiros. Para ele, a medida vai verticalizar a atividade nas empresas, reduzindo a demanda por frete.

+ Cade diz que tabelamento do preço do frete configura formação de cartel

"O tabelamento pode acabar prejudicando aqueles que seriam beneficiados. Nós não temos como revogar a lei da oferta e da demanda por decreto", disse, durante almoço com empresários do grupo Lide. 

+ Em parecer ao STF, Fazenda critica tabelamento do frete

"Mas eu acho que existe entre os caminhoneiros uma percepção maior de que a tabela do frete pode ser negativa para a própria atividade dos caminhoneiros", disse.

+ BNDES publica estudo para mostrar que não teve culpa na greve dos caminhoneiros

Em relação à economia brasileira, Guardia disse que a recuperação passa por todos os setores e conta com uma retomada "forte" dos investimentos. Afirmou que é necessário dar continuidade ao processo de reformas, com mais ênfase na da Previdência. 

Além disso, Eduardo Guardia declarou que considera difícil, no atual ambiente, pensar em uma reforma tributária "profunda". "Não vamos nos iludir. Sem reforma da Previdência, não adianta pensar em reforma tributária".

Segundo ele, sem reforma da Previdência, os gastos continuarão a crescer. O ministro ressaltou que não pretende reduzir nem aumentar impostos no momento. 

De acordo com Guardia, o governo pretende calibrar as alíquotas nominais dos impostos. "Se quisermos implantar um IVA [Imposto de Valor Agregado] precisamos corrigir PIS e Cofins", disse o ministro. "Nosso projeto até o fim do ano é simplificar o sistema do PIS/Cofins".

O ministro ainda afirmou que é cético em relação a uma unificação do ICMS no momento. "Caminhar para tributação do ICMS no destino é impossível", disse. 

 

Mais conteúdo sobre:
transporte de carga caminhoneiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.