Taiwan quer estreitar laços econômicos com a China

Taiwan vai pressionar a China para tervôos diretos entre as duas regiões e também permissão para quemais turistas chineses visitem a ilha assim que o presidenteeleito Ma Ying-jeou assuma o poder no mês que vem, disse umaimportante autoridade taiwanesa na quinta-feira. Chiang Pin-Kung, nomeado chefe da Fundação de Câmbio dailha, órgão quase oficial que lida com as negociações com aChina, disse a um grupo de homens de negócios chineses que taisplanos seriam uma forma de reanimar a economia de Taiwan. "Acredito que isso daria um grande estímulo ao nossoconsumo, que está estagnado há muito tempo" disse Chiang, queestá em Xangai para agradecer a executivos taiwaneses beaseadosna China por terem votado em Ma, que apóia laços econômicosmais fortes com o país. Esta é a primeira visita de uma autoridade taiwanesa àcapital comercial da China desde que Ma, do PartidoNacionalista, foi eleito no mês passado. A China reivindica a posse da ilha independente desde queforças nacionalistas derrotadas fugiram para lá, ao fim daguerra civil em 1949. O país promete recuperar Taiwan -- senecessário, com o uso da força. Vôos diretos entre Taiwan e China são proibidos por razõesde segurança, exceto durante a alta temporada, o que obriga aspessoas a fazer paradas temporárias em Hong Kong ou Macau. Os turistas chineses raramente vão a Taiwan devido ao medode brechas de segurança e de ter de permanecer na ilha por maistempo que o necessário. Repetindo o que Ma prometeu a quem lhe apóia, Chiang disseque Taiwan quer lançar vôos fretados para a China em julho e, apartir daí, aumentar para 12 o número de vôos regulares. Alémdisso, Chiang diz que pretende aumentar o número de turistaschineses em Taiwan -- inicialmente, em 3 mil por dia. No quartoano, 10 mil. Apesar de Chiang não ter indicado se estes planos vão mesmosair do papel na data prometida, ele disse que seriam algumasdas principais prioridades de Ma ao assumir o governo no dia 20de maio. Ma prometeu ainda derrubar as restrições a investimentos naChina e permitir que empresas chinesas invistam em setorestaiwaneses selecionados. Chiang disse que já deu início a umaforça-tarefa para fazer estas mudanças -- o que, segundo ele,impediria que a economia de Taiwan fosse ainda mais"marginalizada". Depois de Xangai, Chiang viaja para as províncias deJiangsu, Fujian e Guandong, onde está a maioria dos executivostaiwaneses. Na semana que vem, ele retorna a Taipei. (Reportagem de Charlie Zhu e Royston Chan)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.