Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Gabriela Biló/ Estadão
Gabriela Biló/ Estadão
Imagem Laura Karpuska
Colunista
Laura Karpuska
Economista
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Sabendo avaliar melhor os candidatos nas eleições, deixaríamos de pensar tanto em impeachment

Brasil prefere rejeitar governantes que cometeram crimes contra a economia do que um governo que atenta contra a vida e as instituições

Laura Karpuska*, O Estado de S.Paulo

18 de junho de 2021 | 04h00

Somavam-se 107 pedidos de impeachment do presidente Jair Bolsonaro até abril deste ano, segundo a Secretaria-Geral da Mesa da Câmara. Bolsonaro é um recordista. Fernando Henrique Cardoso contou com 24 pedidos; Lula, com 37; Temer, com 31; e Dilma, que foi impedida, com 68, segundo estudo da agência de jornalismo Pública.

Embora o número de processos de impeachment feitos contra um presidente, por si só, não defina quão provável é o impedimento, ele serve ao menos para mostrar algum incômodo causado pelo governante. E mais que isso: certamente esse número é relevante para os líderes do Congresso. Quanto mais processos de impeachment na gaveta, maior é o poder de barganha desses líderes. O impeachment é uma ferramenta institucional que regula os poderes do Executivo pelo Legislativo. Mas, como em toda interação estratégica, para que a ameaça funcione, ela deve ser crível. 

O que faz, então, um impeachment passar de uma possibilidade remota para algo factível? Para começar, o alinhamento dos líderes do Congresso com o Executivo. Esse alinhamento pode ser ideológico, ambos possuem agendas semelhantes, ou pode ser fisiológico, quando um dos grupos ou ambos expropriam o Estado em alguma medida. Mas esse tipo de alinhamento é condição importante, porém não é necessária, nem suficiente. Se o apoio popular do governo despenca, pode ficar muito caro para o Congresso apoiar o presidente, mesmo que tenha benefícios de curto prazo com isso. Com baixa popularidade, é muito difícil manter a governabilidade. Seja por incapacidade do Executivo, seja por capacidade política dos demais agentes políticos. Em Brasília, não há vácuo de poder. 

A importância do apoio popular ficou bastante clara durante o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Um cenário externo desfavorável e sucessivos erros de política econômica reduziram não apenas o nível da atividade econômica, mas também a confiança dos cidadãos e dos empresários, levando junto o apoio do povo ao governo. Dilma começou seu governo com 47% de aprovação, segundo pesquisa Datafolha. Em junho de 2013, após as grandes manifestações, essa aprovação caiu para 30% e chegou a 10% em dezembro de 2015, quando Eduardo Cunha, o então presidente da Câmara, deu encaminhamento ao processo de impeachment. 

Michel Temer foi um presidente impopular, governando com uma média de 7% de aprovação. Sua mínima chegou a 3%, depois do vazamento do áudio que mostrava conversa entre o então presidente e o empresário Joesley Batista. Faltou popularidade, mas sobrou habilidade política. Collor, nosso primeiro presidente eleito pelo voto direto democrático, e primeiro impedido, começou seu mandato com 71% de aprovação e deixou a cadeira presidencial com 9% de aprovação. E Bolsonaro?

Nesta última semana, a CPI mostrou provas contundentes de que o governo Bolsonaro fez escolhas erradas sobre como conduzir medidas contra a pandemia no País. Optou pela hidroxicloroquina, em vez de vacinas. Reportagem de 15 de junho do Estadão mostrou que o governo Bolsonaro buscou ativamente o medicamento, em contraposição estridente em relação à inação perante a vacina. Sem falar do discurso antimáscara, dos incentivos a aglomerações e de outros tantos atentados às instituições. No entanto, sua aprovação se mantém relativamente alta, perto dos 30%.

O nível de aprovação de um governo que, deliberadamente, negou a ciência e tomou decisões que culminaram na morte de mais brasileiros é preocupante. O Brasil escolhe rejeitar mais governantes que cometeram crimes contra a economia, como foi o caso de Dilma e de Collor, ou rejeitar presidentes que subiram ao poder depois de um impeachment, como foi o caso de Temer, do que um governo que atenta contra a vida e as instituições. 

Se não mudarmos nossas prioridades quando avaliamos um governante, nunca nos encontraremos em uma situação feliz nas eleições. Sabendo priorizar o que realmente importa – a vida e instituições saudáveis –, teremos melhores opções nas urnas e ficaremos menos desesperados em busca de uma terceira via. Afinal, as vias usuais serão representativas das nossas vontades. E também deixaremos de pensar tanto em impeachment. Se o presidente será impedido, eu não sei. Não sei também se isso seria o melhor para o País. Talvez o ideal seria os brasileiros se livrarem de Bolsonaro nas urnas. Mas será que Bolsonaro vai deixar isso acontecer?

*É ECONOMISTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.