TAM e Gol querem aumentar a frota própria de aviões

Compra de aeronaves, em lugar do leasing operacional, é forma de se proteger do dólar

Alberto Komatsu, O Estadao de S.Paulo

23 de outubro de 2008 | 00h00

As duas principais empresas aéreas do País decidiram recorrer a uma fórmula parecida para se proteger da volatilidade do dólar e da esperada queda de demanda. As empresas vão aumentar, em sua frota, a proporção de aviões próprios em relação aos aviões adquiridos via leasing operacional. A meta das companhias é deter a propriedade de 60% dos aviões - hoje, mais da metade da frota é de leasing. Juntas, TAM e Gol vão investir US$ 12,3 bilhões no longo prazo em renovação e ampliação das frotas. O leasing operacional, um aluguel sem opção de compra, é mais recomendado para um cenário de dólar barato e crescimento robusto do fluxo de passageiros. Como a demanda nos últimos anos estava aquecida, e as encomendas que as duas companhias possuem junto aos fabricantes Boeing e Airbus levariam muito tempo para chegar, elas aumentaram a oferta no curto prazo por meio de contratos de leasing operacional. Somente a TAM vai desembolsar US$ 6,9 bilhões até 2018 na renovação e ampliação de frota, conta o presidente da companhia, David Barioni Neto. A Gol, por sua vez, vai aplicar US$ 5,4 bilhões até 2014, estima o presidente da empresa, Constantino de Oliveira Júnior. "É mais uma engenharia contábil e tributária do que uma engenharia em função de frota. A aviação mundial caminha para algo entre 35% e 55% de frota própria. Justamente para uma adequação rápida à variação de demanda", diz Barioni. Constantino Júnior tem avaliação parecida. "Nossos planos a longo prazo são os de ter uma frota composta por 60% das aeronaves com leasing financeiro e 40% operacional, para garantir a flexibilidade natural da atividade. Isso é necessário para que, em momentos de crise, se tenha flexibilidade para, eventualmente, reduzir, aumentar ou renovar a frota", afirmou. Ambos os executivos participaram ontem da abertura do Congresso da Associação Brasileira das Agências de Viagem (Abav 2008 - Feira das Américas), no Rio. A crise mundial ainda não foi sentida pelas duas maiores companhias aéreas brasileiras, avaliam seus presidentes. Para 2009, no entanto, eles acreditam num crescimento inferior a dois dígitos. "Ainda não percebemos um recuo. Hoje, estamos próximos da alta temporada, mas para pensarmos em médio prazo, 2009 e 2010, é razoável supor que o crescimento não será tão grande quanto se esperava", afirma Constantino Júnior. "Por enquanto a gente não sente retração, nenhum grande impacto", acrescenta Barioni. Tanto TAM quanto a Gol (que está unificando operações com a Varig) descartam aumento significativo em sua malha de vôos domésticos no ano que vem. Para o internacional, somente a TAM planeja agregar mais um novo vôo, para a África do Sul ou Europa. CONGONHASA TAM, disse Barioni, vai protestar contra a nova política de redistribuição das vagas de pouso e decolagem (slots) no Aeroporto de Congonhas. "Vamos usar uma ferramenta democrática que é a de apresentar nosso ponto contrário. Acreditamos que os slots devem regular a parte operacional do aeroporto, e não fomentar concorrência entre empresas. Quem fomenta concorrência é o Cade."NÚMEROSUS$ 6,9 bilhões é o investimento previsto pela TAM em renovação e ampliação de frota até 2018US$ 5,4 bilhões é o investimento com frota previsto pela Gol até 201460% é a proporção ideal, segundo as empresas, de frota própria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.