TAM e Gol são as aéreas mais lucrativas das Américas

Companhias brasileiras apresentaram os maiores lucros no período de janeiro a setembro, diz Economática

Agência Estado,

12 de novembro de 2009 | 10h01

Um levantamento da consultoria Economática aponta que as companhias aéreas brasileiras TAM e Gol são as mais lucrativas da América Latina e Estados Unidos no ano até setembro. Das empresas de transporte aéreo regular de capital aberto desse setor na região, a TAM apresenta o maior lucro líquido no período de janeiro a setembro, com US$ 674,115 milhões, seguida por Gol, com US$ 267,184 milhões. Em terceiro lugar no levantamento aparece a Lan Chile, com US$ 122,292 milhões, à frente da americana Skywest, com US$ 64,158 milhões, e JetBlue, US$ 47 milhões.

 

Veja também:

link Gol lucra R$ 77,9 milhões no 3º trimestre

 

As demais grandes companhias aéreas norte-americanas apuraram prejuízo em nove meses: Southwest (US$ 16 milhões), US Airways (US$ 125 milhões), Continental Airlines (US$ 367 milhões), UAL Corp (US$ 411 milhões), AMR (US$ 1,124 bilhão) e Delta Airlines (US$ 1,212 bilhão).

 

TAM continua à frente nos resultados de terceiro trimestre, com lucro líquido de US$ 195,689 milhões, maior que o de Lan Chile, em segundo, com US$ 54,86 milhões, e Gol, em terceiro lugar, com US$ 44,970 milhões.

 

TAM sai de prejuízo para lucro

 

A TAM registrou lucro líquido de R$ 348 milhões no terceiro trimestre de 2009, revertendo um prejuízo de R$ 663,6 milhões de igual período de 2008. A receita líquida foi de R$ 2,419 bilhões, com queda de 16,5%, e as despesas operacionais totais foram de R$ 2,318 bilhões, com baixa de 14,8%. A empresa teve Ebitda de R$ 247,8 milhões, com baixa de 19,6%, e a margem caiu de 10,6% para 10,2%. As informações são de release da empresa e os números estão nas normas contábeis brasileiras.

 

O impacto favorável da variação cambial em relação ao segundo trimestre de 2009 também levou a TAM a adicionar ao seu balanço um resultado financeiro líquido positivo em R$ 406,3 milhões entre julho e setembro deste ano, conforme demonstrações contábeis em BR Gaap. Trata-se de uma baixa de 68,35% ante o R$ 1,284 bilhão contabilizado de abril a junho de 2009. Porém, no terceiro trimestre de 2008 o movimento havia sido inverso: as despesas financeiras tinham superado as receitas em R$ 1,158 bilhão.

 

Preços das passagens da TAM caem 3,7%

 

As tarifas praticadas pela TAM caíram 3,7% entre o segundo e o terceiros trimestres deste ano, em média, para 20,5 centavos de real por quilômetro. Comparativamente a julho-setembro de 2008, o declínio dos preços das passagens é de 25,2%, conforme balanço consolidado.

 

Nos voos internacionais, o yield - receita bruta de transporte de passageiros dividida pela quantidade de clientes - apresentou recuperação no confronto com o segundo trimestre, exibindo 3,6% de alta no cálculo feito em reais. Porém, as rotas domésticas exibiram, no período, baixa de 7% nos preços.

 

Na comparação com o terceiro trimestre de 2008, vê-se um declínio de 26,9% e 27%, respectivamente, nas tarifas das passagens internacionais e nacionais. A TAM observa, em seu balanço em BR Gaap, que o yield é bruto de impostos.

 

"Embora o mercado internacional tenha apresentado uma redução em sua demanda e taxas de ocupação, comparado ao mesmo período de 2008, estamos observando uma forte melhora no setor, lembrando que a base de comparação é versus o período pré-crise, quando a taxa de dólar estava em torno de R$ 1,60 nos meses de julho e agosto de 2008, fazendo com que a demanda para o mercado internacional estivesse bastante estimulada", destacou a TAM.

 

A empresa observa, em sua demonstração financeira, que o mercado doméstico está se recuperando, com o retorno dos passageiros viajantes a negócios, movimento impulsionado pelo reaquecimento econômico. A TAM cita, também, um estímulo do cenário competitivo à demanda, principalmente durante o mês de setembro.

 

(com Michelly Chaves Teixeira, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
EconomaticaTAMGOLcompanhias aereas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.