TAM e Varig preparam relatório sobre vôos compartilhados

As empresas aéreas TAM e Varig apresentarão, na semana que vem, aos órgãos de defesa da concorrência um relatório detalhado sobre os vôos compartilhados entre elas, operação conhecida como "code share". Segundo o consultor da operação, Luciano Coutinho, que se reuniu hoje de manhã com representantes do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), da Secretaria de Direito Econômico (SDE) do Ministério da Justiça e da Secretaria de Acompanhamento Econômico (SEAE) do Ministério da Fazenda, foram dadas hoje as primeiras explicações sobre as alegações feitas pela Seae, em nota técnica divulgada na semana passada, de que com o code share teria havido redução na oferta de vôos. "Estamos tranqüilos para afirmar que não houve retirada de vôos; o que houve foi uma reorganização da malha, principalmente na parte sul do País", afirmou o consultor, referindo-se ao fato de algumas rotas terem sido desdobradas ou redesenhadas após o compartilhamento entre as empresas. Isso será detalhadamente explicado no relatório e, segundo Coutinho, isso permitirá o fim das interpretações de que houve redução de vôos. Quanto aos valores das tarifas das passagens aéreas que, segundo a nota técnica da Seae, também teriam sido aumentadas abusivamente e sem justificativas, Coutinho afirmou que o relatório também demonstrará que não houve abusividade. "Nós tivemos uma recuperação tarifária simultânea ao code share, porque houve uma guerra tarifária entre as empresas logo antes do compartilhamento", informou. Para ele, no entanto, isso não foi abusivo porque as empresas, que estavam com margem de lucro negativa, passaram para "uma margem positiva razoável para remunerar o capital". Ele completou a explicação afirmando que essa recuperação de preços já parou porque a dinâmica de competição no setor impede abusos.

Agencia Estado,

02 de junho de 2004 | 13h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.