TAM: nº de passageiros para o Canadá subirá em 20 mil

O fluxo de passageiros entre o Brasil e o Canadá, que atualmente é de 73 mil pessoas por ano, deverá ser elevado em 20 mil passageiros ao ano com o memorando de entendimento firmado hoje entre as companhias aéreas TAM e Air Canada, segundo o vice-presidente de Planejamento e Alianças da TAM, Paulo Castello Branco. De acordo com o executivo, o volume terá impacto direto sobre a demanda doméstica da TAM, ao distribuir esses passageiros no Brasil.Inicialmente, a TAM deverá transportar clientes da empresa canadense, que chegarão ao Brasil por São Paulo, para cinco cidades: Rio de Janeiro, Porto Alegre, Brasília, Curitiba e Belo Horizonte. A expectativa é de que novas cidades sejam incorporadas no acordo de compartilhamento de vôos (code share), em uma segunda etapa, ainda sem data definida.Castello Branco explicou que os passageiros da TAM poderão voar de São Paulo para Toronto, e adiantou que a empresa tem interesse também de ampliar o code share para Montreal e Vancouver, entre outros destinos naquele país.De acordo com o vice-presidente de planejamento de malha da Air Canada, Daniel Shurv, o acordo com a TAM é importante, porque o Brasil é o maior mercado da companhia na América do Sul. O segundo é a Argentina, cujo fluxo representa 60% do que a Air Canada tem com o Brasil. "O fluxo para o Brasil tem crescido fortemente como reflexo da economia brasileira", afirmou Shurv.A Air Canada comunicou hoje que a partir de 1º de dezembro vai alterar a aeronave na rota SP-Toronto, que atualmente é um Boeing 767-300 para um 777-300ER. A mudança amplia a capacidade em 138 assentos por dia. Rio e Nova YorkA TAM iniciará até o final do ano vôos diários entre o Rio de Janeiro e Nova York, afirmou hoje o vice-presidente de Planejamento e Alianças da TAM, Paulo Castello Branco. Segundo o executivo, esta é uma das três novas rotas internacionais que a empresa deverá iniciar operações este ano. As outras duas são Rio-Miami, a partir de 15 de setembro, e SP-Lima em outubro. "Estamos acabando de fechar os detalhes da rota entre Rio e Nova York, mas ela deverá ser iniciada após outubro", afirmou.A projeção da TAM é de que as operações internacionais respondam por 50% da receita este ano, o que na opinião da empresa é importante porque funciona como uma proteção natural para os gastos em moeda estrangeira - que atualmente respondem pela metade dos custos.

BETH MOREIRA, Agencia Estado

11 de junho de 2008 | 15h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.