TAM retoma liderança do mercado doméstico de aviação em março

Companhia obteve 41,84% de participação no mês passado; em fevereiro, a Gol havia assumido a 1ª colocação 

Silvana Mautone, da Agência Estado,

19 de abril de 2011 | 17h47

O Grupo TAM, que reúne as empresas aéreas TAM e Pantanal, registrou em março crescimento de 25,2% na demanda em relação ao mesmo mês de 2010. No mesmo período, a oferta aumentou 14,6%. Com isso, a taxa de ocupação subiu 5,8 pontos porcentuais, atingindo 68,7%. Conforme dados divulgados nesta terça-feira, 19, pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), depois de ter perdido a liderança do mercado doméstico pela primeira vez para a Gol/Varig, em fevereiro, a TAM recuperou o posto em março, quando fechou o mês com 41,84% de participação, ante fatia 38,83% da concorrente.

Segundo a TAM informou em comunicado divulgado há pouco, o mês passado foi marcado pela elevada concentração de passageiros voando a lazer principalmente devido ao carnaval, que neste ano aconteceu em março, o que resultou em uma elevação da taxa de ocupação e uma consequente diluição do yield (preço médio pago por passageiro em cada quilômetro voado) em cerca de 5%, uma vez que esses passageiros compram suas passagens com antecedência e utilizam pontos do programa de fidelidade.

No mercado internacional, comparando-se com março do ano anterior, a TAM teve aumento na de 26,7% na demanda e de 12,1% na oferta, resultando em um aumento de 9,3 pontos porcentuais na taxa de ocupação, atingindo 80,3%. Nos voos internacionais operados por empresas aéreas brasileiras, a TAM alcançou participação de 86,07% em março - a Gol/Varig possui 12,87% de participação.

De acordo com a TAM, a demanda de passageiros entre o Brasil e o exterior manteve-se forte e consistente em março, o que fez com que o yield internacional em dólar permanecesse estável comparado com o mês anterior.

Texto atualizado às 18h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.