Carlos Garcia Rawlins/Reuters
Carlos Garcia Rawlins/Reuters

TAM sinaliza que oferta de Azul não deve ser suficiente para pagar credores da Avianca

Plano de recuperação da companhia aérea foi questionado pela concorrente, que fez objeções sobre a viabilidade do projeto

Cynthia Decloedt, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2019 | 19h00

SÃO PAULO - A TAM Linhas Aéreas (LATAM Airlines Brasil) apresentou ao Juiz da Recuperação Judicial da Avianca objeção ao plano de recuperação da companhia, questionando a viabilidade do projeto e potencial de o valor ofertado pela Azul ser insuficiente para o pagamento dos credores. O documento, obtido pelo Broadcast, foi apresentado à Justiça ontem, a quatro dias da assembleia de credores que deverá votar o plano de recuperação da empresa, que envolve a oferta de aquisição da Azul.

A TAM diz que a Avianca não apresentou um plano de viabilidade econômica para dar sustentação à recuperação financeira prevista, mas "somente estratégias genéricas e abusivas para possibilitar a recuperação da empresa". A TAM critica também o fato de a avaliação da Unidade Produtiva Isolada (UPI), contendo parte da frota e das autorizações de pousos e decolagens (slots, no jargão do setor) da Avianca, estar sendo feita pela própria empresa em recuperação judicial.

Segundo a TAM, com os compromissos que a Avianca está assumindo de pagamento dos empréstimos DIP já concedidos e dos futuros, que deixou claro que poderá tomar, os recursos levantados na venda da UPI não serão suficientes para ressarcir os credores.

A Azul propôs levar a Avianca, num modelo que envolveria a aquisição por R$ 404 milhões de uma Unidade Produtiva Isolada (UPI), contendo parte de sua frota e das autorizações de pousos e decolagens (slots) da Avianca. O negócio precisa, entretanto, do aval dos credores, da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e das arrendadoras das aeronaves.

Enquanto credora, o movimento da TAM demonstra as dificuldades que a Avianca e a Azul podem ter para dar vazão ao plano de resgate da companhia aérea. A empresa enfrenta também uma batalha judicial com as arrendadoras de aeronaves e amanhã vai realizar uma audiência para discutir a devolução amigável dos aviões. A ideia é chegar com propostas mais redondas na assembleia de sexta-feira, que dependerá, da presença do fundo Elliot para sua instalação.

O fundo tem cerca de R$ 2 bilhões em créditos da Avianca, sendo o maior de seus credores. No total, as dívidas da companhia aérea somam R$ 2,7 bilhões, excluindo as arrendadoras, para as quais deve cerca de R$ 500 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.