MARCOS ARCOVERDE | ESTADÃO CONTEÚDO
MARCOS ARCOVERDE | ESTADÃO CONTEÚDO

Tanure e portugueses chegam a acordo na Oi

Empresário será indicado para uma vaga de suplente no conselho da tele e irá apontar dois titulares e mais três suplentes, afirmam fontes

Mariana Sallowicz / RIO, O Estado de S.Paulo

13 Setembro 2016 | 21h54

A disputa entre dois dos principais acionistas da operadora de telefonia Oi chegou ao fim nesta terça-feira, 13, após meses de embate. A Pharol (antiga Portugal Telecom, maior acionista individual da tele) e o fundo Société Mondiale, ligado a Nelson Tanure, fecharam acordo que prevê a reorganização do conselho de administração. O empresário será indicado para uma vaga de suplente no conselho e vai apontar dois titulares e mais três suplentes, disse uma fonte com conhecimento do assunto.

Os dois titulares serão o ex-ministro das Comunicações Helio Costa e o ex-presidente do BNDES Demian Fiocca. Já os outros nomes cotados para suplentes são Nelson Queiroz Tanure, filho do empresário e diretor de projeto da PetroRio; Blener Mayhew, diretor financeiro da petroleira; e Pedro Grossi Junior, conselheiro da PetroRio e ex-administrador na Oi. O Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, antecipou que o acordo seria fechado nesta semana.

As nomeações serão feitas em reunião do conselho nesta quarta, às 11h. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) tem a prerrogativa de aceitar ou rejeitar a mudança no colegiado.

Apesar de não participar das reuniões se o titular estiver presente, o cargo de suplente é estratégico na companhia. Isso porque o conselho tem quatro comitês formados por membros do colegiado, sendo um deles o de acompanhamento da recuperação judicial da tele. Tanure pode ser indicado para integrar esse comitê.

Em contrapartida, o Société Mondiale deixará de propor medidas de responsabilização contra a companhia portuguesa por danos na fusão com a Oi. A Pharol continuará com cinco indicados no conselho e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) com dois membros. O presidente do conselho José Mauro Mettrau será mantido, assim como Thomas Reichenheim, membro do conselho de administração da Jereissati Telecom. Ao todo, são 11 membros titulares.

O juiz da 7.ª Vara Empresarial do Rio, Fernando Viana, responsável pela recuperação judicial, recebeu ontem o presidente da Oi, Marco Schroeder, Tanure e o conselheiro Rafael Mora.

A empresa portuguesa informou que o entendimento entre as partes “é um instrumento fundamental para a sustentabilidade da Oi e a para superação do processo de recuperação judicial”. O Société Mondiale não fez comentários. A Oi está no meio do maior processo de recuperação judicial do País.

Fonte ligada aos credores criticou o acordo. Na visão da fonte, Tanure deve se juntar à Pharol na tentativa de evitar uma diluição dos atuais acionistas no processo de recuperação judicial. Em resposta, os credores podem questionar o tratamento dado a eles ou até mesmo entrar com uma ação contra o plano de recuperação judicial, disse a fonte.

As disputas ocorreram nos últimos meses após o fundo ligado a Tanure ter convocado assembleias de acionistas, uma para votar a destituição de membros ligados à Pharol. A outra assembleia tinha na pauta medidas de responsabilização contra a companhia portuguesa por danos na fusão com a Oi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.