TAP considera greve mais nociva do que guerra

A TAP-Air Portugal considera que a greve de quatro dias planejada pelos trabalhadores em protesto contra os planos de privatização da empresa poderá acarretar maiores prejuízos à companhia aérea do que o impacto negativo dos primeiros 13 dias de guerra no Iraque. António Monteiro, porta-voz da empresa, disse que muitos passageiros já estão pedindo informações e podem cancelar suas viagens ou tentar reservas em outras companhias de aviação, afirma o jornal. Mesmo que a greve seja adiada, a TAP terá de contabilizar os prejuízos, afirma o porta-voz ao jornal. Em fevereiro, segundo o porta-voz da TAP, a instabilidade provocada pela guerra do Iraque resultou em um decréscimo de 3,4% de passageiros. O desempenho de março, com a guerra ainda ocorrendo, será necessariamente pior. Dessa forma, o porta-voz considera "imprudente" o anúncio feito pelos representantes dos trabalhadores sobre a greve de quatro dias, independentemente "das razões que possam existir para se protestar", acrescenta o porta-voz ao jornal português. Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.