Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

‘Taquaritinga murchou, ficou mais pobre’

Elbo Gibertoni, de 90 anos, é a testemunha das transformações que ocorreram na cidade de Taquaritinga (SP), que nos anos 1980 ganhou o posto de capital da laranja.

Márcia de Chiara (texto) e Alex Silva (fotos), enviados especiais a Matão (SP), O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2017 | 05h00

“Era uma maravilha: tinha muito serviço, muitos colhedores, empreiteiros e caminhões para puxar laranja”, lembra o ex-citricultor. Na época, Gibertoni plantava laranja numa área de 40 alqueires no município. “A maior parte da área hoje tem cana, arrendei para usina. Eu cultivo também limão e goiaba por conta”, diz o ex-citricultor, que está aposentado. Atualmente, quem toca a fazenda é o filho.

Segundo ele, as processadoras de suco foram ganhando dinheiro e comprando terras. Agora eles têm a própria produção de laranja e a safra dos pequenos citricultores foi recusada. Isso provocou uma profunda mudança no perfil da cidade. “Taquaritinga murchou, ficou mais pobre”, diz ele.

É que, com a laranja, circulava muito dinheiro no município por causa do grande número de trabalhadores, uma vez que a colheita é manual “O pessoal vinha colher laranja e gastava o dinheiro aqui.”

Com a chegada da cana, que substituiu boa parte da laranja, a mão de obra foi dispensada, porque a roça é mecanizada, do plantio à colheita. No caso da goiaba, Gibertoni diz só na época da colheita emprega bastante gente. Na goiaba usa-se muito herbicida, roçadeira. “No limão é a mesma coisa, só paga para colher.” Nas contas do ex-citricultor, a goiaba emprega 10% da mão de obra que era usada no cultivo da laranja.

Transformação. Não é a primeira vez que há uma mudança no perfil da cidade. Em 90 anos, Gibertoni, sentado no banco da praça de Taquaritinga, lembra que presenciou muitas transformações na agricultura da região e no perfil da cidade.

“Quando eu era bem criança, o que predominava aqui era o café”, diz ele. Com a decadência da cafeicultura no Estado de São Paulo, o plantio do algodão avançou na região. Depois disso, veio a época das roças de tomate, vendido para a indústrias como Cica, Etti e Peixe.

O auge da laranja ocorreu nos anos 1980, com as fortes geadas nos pomares da Flórida (EUA), que puxavam os preços do suco e encheram o bolso dos citricultores. Agora é a vez da cana, da goiaba, da manga e do limão.

Tudo o que sabemos sobre:
GoiabaCitriculturaAgricultura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.