Tarifa Aérea Média doméstica cai 7,1% de janeiro a novembro de 2011

O valor médio que se paga para voar 1 km em território nacional de janeiro a novembro teve queda de 11,2% na comparação com o mesmo intervalo do ano anterior

Agência Estado,

17 de abril de 2012 | 13h45

SÃO PAULO - A Tarifa Aérea Média Doméstica acumulada de janeiro a novembro de 2011 ficou em R$ 271,69, valor 7,1% menor que o apurado no mesmo período de 2010, quando a média era de R$ 292,44. O Yield Tarifa Aérea Média Doméstica (valor médio que passageiro paga para voar 1 quilômetro em território nacional) foi de R$ 0,34508 de janeiro a novembro do ano passado, com queda de 11,2% na comparação com os R$ 0,38845 apurados no mesmo intervalo do ano anterior. Os dados constam do "Relatório de Tarifas Aéreas", publicado hoje pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Considerando apenas o mês de novembro de 2011, a Tarifa Aérea Média Doméstica (indicador que representa o valor médio pago pelo passageiro por uma viagem aérea em território brasileiro) foi de R$ 322,30, valor 2,83% superior ao de novembro de 2010. Na comparação com o mês imediatamente anterior, outubro de 2011, o aumento foi de 6,05%. O valor apurado em novembro de 2011 representou pouco mais da metade (53%) do valor pago pelo passageiro há nove anos.

O Yield Tarifa Aérea Doméstica foi de R$ 0,4033 em novembro de 2011, valor 4,35% maior que o de novembro de 2010 e 5,46% superior em relação a outubro de 2011. Entretanto, quando comparado com novembro de 2002, nota-se que o passageiro pagou aproximadamente 40%, menos da metade do que pagava há nove anos para voar um quilômetro.

Os valores apresentados são calculados com base nos dados das tarifas aéreas domésticas comercializadas pelas empresas aéreas, mensalmente registradas na Anac, e são atualizados pelo IPCA do IBGE (índice oficial utilizado pelo governo brasileiro para medir a inflação) até o mês mais recente apresentado no Relatório de Tarifas Aéreas.

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
AnacTarifa aérea doméstica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.