Tarifa da Eletronuclear será reajustada em 30%

A tarifa de suprimento da Eletronuclear deve ter reajuste de 30%, anunciou hoje o presidente da Eletrobrás, Luiz Pinguelli Rosa, em entrevista em Recife (PE). Segundo ele, o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) determinou que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorize o reajuste em caráter provisório. O MWh gerado pela Eletronuclear, que custa hoje R$ 63,00, deverá passar para R$ 80,00. O último reajuste da tarifa de suprimento da empresa foi feito em maio de 2002 e as diferenças entre o custo de produção e o faturamento vêm acarretando um déficit médio diário de R$ 1 milhão, alega o presidente da estatal. Desde o começo deste ano, Luiz Pinguelli Rosa e Zieli Dutra Thomé, presidente da Eletronuclear, vêm alertando para os problemas que a defasagem tarifária pode provocar. Representantes da Eletrobrás, Eletronuclear e da Aneel vão se reunir, amanhã em Brasília, para discutir os detalhes da Resolução que, nos próximos dias, deverá ser publicada pela Aneel. O reajuste foi autorizado pela Resolução do CNPE, publicada hoje no Diário Oficial da União, que criou também um grupo de trabalho, incluindo representantes dos ministérios de Energia Elétrica, da Fazenda, da Ciência e Tecnologia, da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), da Eletrobrás e da Eletronuclear. A expectativa é de que o grupo, num prazo de 90 dias, apresente proposta para as condições de comercialização da energia produzida pela Eletronuclear. A efetivação das condições de comercialização definidas por esse grupo de trabalho deverão permitir a regularização da situação financeira da Eletronuclear e, também, viabilizar a cobertura de custos operacionais e dos investimentos necessários a permanente modernização de suas unidades geradoras e de suas instalações de suporte operacional e administrativo.

Agencia Estado,

14 Julho 2003 | 15h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.