Tarifa da Light terá aumento médio de 10,81%

As tarifas de energia dos consumidores da Light, no Rio de Janeiro, terão um aumento médio de 10,81% a partir da próxima segunda-feira, dia 7 de novembro. O porcentual não inclui a incidência de PIS/Cofins. A empresa divulgará ainda hoje qual deve ser o impacto do imposto nas tarifas. Para os consumidores residenciais, o aumento da conta de energia deverá ficar em torno de 7,28%, também sem o acréscimo do PIS/Cofins. No caso dos consumidores de energia de alta tensão - categoria que inclui comércio e indústria -, o reajuste autorizado varia de 20,94% a 28,23%. Ambos os porcentuais não incluem a incidência de PIS/Cofins. A Aneel já havia divulgado, na quinta-feira passada, um índice médio provisório de reajuste de 10,52% (sem PIS/Cofins), menor, portanto dos 10,82% confirmados hoje. No caso dos consumidores residenciais, o aumento que havia sido anunciado na semana passada (também sem PIS/Cofins) era de 5,29%. Segundo explicou a Aneel, os reajustes definitivos da Light subiram em relação aos provisórios devido à atualização dos dados do IGP-M, índice inflacionário que indexa os reajustes. Na semana passada, como ainda não havia sido divulgada a variação oficial do IGP-M acumulado nos 12 meses até outubro, a Aneel projetou que o índice teria uma alta de 2,02%. O número oficial, divulgado pela Fundação Getúlio Vargas, porém, foi maior, de 2,38%. Outro fator que contribuiu para o aumento do reajuste foram as mudanças a metodologia de cálculo de uma conta interna do setor elétrico, a Tarifa de Uso do Sistema de Distribuição (Tusd), que começaram a valer em novembro e implicaram em aumento dos custos das empresas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.