Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

'Tarifaço' para arrumar as contas públicas afeta mais a baixa renda

Classe média emergente sofrerá mais o impacto dos aumentos que o governo vem anunciando como forma de ajustar suas finanças

Márcia de Chiara, O Estado de S. Paulo

08 Fevereiro 2015 | 02h04

SÃO PAULO - A população de menor renda vai sentir mais fortemente no bolso a conta do tarifaço anunciado pelo governo para colocar a economia nos trilhos. Nos últimos anos, os brasileiros mais pobres experimentaram um aumento de bem-estar proporcionado pela abundância de crédito, ganho real do salário mínimo e preços contidos de energia, transporte público e combustível. Com isso, sobrou mais dinheiro para gastar depois de pagar todas as despesas obrigatórias com alimentação, habitação, saúde e transporte, a chamada renda disponível. Mas, neste ano, a situação mudou.

O impacto da alta das tarifas para a população de menor renda é explicado pelo peso que essa despesa obrigatória tem no orçamento dessas famílias. O analista João Morais, da Tendências Consultoria, ressalta que a eletricidade responde por cerca de 3,5% dos gastos das famílias de baixa renda e quase 3% das mais endinheiradas, segundo um levantamento feito com base na Pesquisa de Orçamento Familiar, do IBGE. Já o transporte público consome perto de 7% do gasto dos mais pobres e 4,5% no caso dos mais ricos.

Por causa principalmente do aumento da energia, do transporte público e também dos combustíveis, a renda disponível das famílias com ganho mensal de até 40 salários mínimos vai cair 1,2%, segundo a Tendências. "É a maior retração desde 2003", observa Morais, responsável pelos cálculos. Mas, para as famílias com renda menor, de até dez salários mínimos mensais, o tombo será maior, de 2,4%. Além de ter peso importante, outro fator que, segundo o analista, contribui para a piora do cenário é que esses serviços, ao contrário de alimentos e outros itens do orçamento básico, são insubstituíveis. Com isso, o consumidor fica refém da alta de preços.

O peso dos gastos com serviços no orçamento dos brasileiros em geral, independentemente da classe social, já era significativo antes do recente tarifaço. Uma pesquisa da consultoria Kantar Worldpanel em 4,2 mil domicílios mostra que, entre 2009 e 2013, as despesas com serviços públicos (energia, água, gás encanado e de botijão, telefone fixo e taxas) cresceram 23%. "Os gastos com serviços públicos comprometem 6% da renda do brasileiro, só perdem para os gastos com alimentação, habitação, transporte e vestuário", diz Christine Pereira, diretora da consultoria.

A dona de casa Silvia Paula de Oliveira Fernandes, de 42 anos, casada e mãe de cinco filhos, e que tem a sogra e a nora morando na mesma casa, está sentido na prática esse aperto no orçamento. Ela tem forno de micro-ondas, lavadora de roupa automática, aparelho de som, aspirador de pó e, recentemente, comprou chuveiro e ferro de passar mais modernos. Mas, com o aumento da conta de energia, Silvia decidiu reduzir o uso dos equipamentos ou até aposentar alguns para fazer com que a despesa de luz se encaixe na renda mensal da família, de R$ 2,5 mil.

"O micro-ondas está desligado e em cima da geladeira para não ter a tentação de usá-lo", diz. O banho na casa onde moram nove pessoas também mudou. "Dura no máximo cinco minutos." O ferro de passar só é ligado uma vez por mês e a lavadora automática é usada apenas para centrifugar a roupa. Mesmo assim, a conta de luz subiu de R$ 101, em dezembro, para R$ 116 neste mês. Um ano atrás, estava em R$ 50. "Não sei mais o que fazer para economizar."

A costureira Jacira Delmiro, de 52 anos, casada e mãe de três filhos, também apertou os cinto. Passou a trabalhar em casa para dar o dinheiro da passagem de ônibus para o filho ir às aulas de futebol. "Não tenho condições de pagar R$ 7 de condução para mim e para ele."

Retrocesso. Para Luciana Aguiar, sócia da Plano CDE, consultoria especializada em baixa renda, diante dos reajustes de tarifas, a sensação de bem-estar da classe C vai diminuir. "Essa população terá de reacomodar as despesas e mudar o uso dos bens duráveis a que teve acesso." No entanto, ela não acredita que a classe C vai dar marcha à ré e recuar na estratificação social.

Essa também é a avaliação de Renato Meirelles, sócio da empresa de pesquisa Data Popular, especializada em baixa renda. "Isso ocorre se tiver desemprego", afirma. De toda forma, ele ressalta que o brasileiro de classe média está cauteloso.

Uma enquete feita na segunda quinzena de dezembro do ano passado em 100 municípios brasileiros com cerca de 3 mil pessoas de classe média revelou que mais da metade (58%) acredita que não vai ter ganho real de renda este ano. Isto é, seus rendimentos não vão superar a alta da inflação, projetada em 7% depois do tarifaço.

Mais conteúdo sobre:
Contas públicas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.