Tarifas ainda pressionam inflação, aponta Fipe

Além dos efeitos secundários sobre a inflação, as tarifas continuam exercendo fortes pressões na composição do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Na segunda quadrissemana de setembro, a tarifa de energia elétrica subiu 8,10%. O mesmo ocorreu com a conta de telefone fixo, que fechou a média das quatro últimas semanas com alta de 9,98%. Essas duas tarifas sozinhas responderam por 0,55 ponto porcentual da inflação total do período, que fechou em 0,89%. O IPC-Fipe já captou 0,64% do aumento total de 19% autorizado pelo governo do estado de São Paulo para a tarifa de água e esgoto. A expectativa do coordenador de Pesquisas de Preços da Fipe, Heron do Carmo, era de que o Índice só captaria alguma influência da taxa de água e esgoto a partir da terceira quadrissemana de setembro. Outras tarifas também pressionaram o Índice no período. A passagem de metrô aumentou 2,24%; a de trem 13,28%; e o pedágio subiu 4,04%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.