Tarifas de telefonia fixa terão alta de 8,07%

As tarifas de telefonia fixa terão um aumento médio de 8,07%. Para os clientes da Telefônica em São Paulo, a assinatura residencial terá um reajuste de 13,94%, passando de R$ 23,32 para R$ 26,57, incluindo os impostos. A habilitação permanecerá em R$ 76,62, enquanto o pulso terá reajuste de 11,73%. A assinatura não residencial aumentará 9,97%, passando para R$ 40,04. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) informou que, para que as novas tarifas possam vigorar, as operadoras têm de publicar os valores durante dois dias consecutivos em jornais de grande circulação. Se os prazos forem cumpridos, o reajuste poderá ser aplicado já nesta sexta-feira. O conselheiro da agência, Luiz Tito Cerasoli, explicou que para se chegar ao porcentual de aumento foi considerada a variação do IGP-DI de junho de 2001 a maio de 2002, que foi de 9,40%. Também foram aplicados ganhos de produtividade que atenuaram o impacto da inflação. Segundo Cerasoli, no caso das ligações locais foi aplicado um redutor de 1%. Para as ligações de longa distância nacional, o redutor foi de 4% e, para as internacionais, de 15%. Por isso, as ligações de longa distância nacionais (interurbanos) terão reajuste médio de 5,02% e as ligações internacionais terão uma redução de 7,01%, em média. O reajuste da telefonia internacional foi negativo em virtude dos ganhos de produtividade que foram transferidos para o cálculo de reajuste, que resultou no redutor de 15%. De acordo com o conselheiro, desde abril de 1997, quando foi aplicado o último reajuste anterior à privatização, o IGP-DI verificado foi de 57,62%. Neste mesmo período, segundo ele, as ligações locais subiram 47,52%. As ligações interurbanas subiram 33,57% e as ligações internacionais caíram 7,55%, o que dá uma média de 39,58%. O reajuste autorizado ontem, de 8,07% em média, pode ser aplicado de formas diferentes dentro da cesta de serviços das empresas que compreende a habilitação, a assinatura básica e o pulso. As concessionárias preferiram conceder um reajuste maior na assinatura residencial e no pulso. O reajuste da ficha telefônica para uso do telefônico público será de 8%, subindo de R$ 0,075 para R$ 0,081. No Rio de Janeiro, a assinatura residencial dos usuários de telefone fixo da Telemar terá um aumento de 13,98%, passando de R$ 23,32 para R$ 23,58. O pulso terá reajuste de 9,73%, passando de R$ 0,09258 para R$ 0,1059. A habilitação terá uma redução de 40%, caindo de R$ 70,07 para R$ 42,04. O reajuste médio da Telemar Rio foi de 8,3%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.