Reuters
Reuters

Tarifas e sanções de Trump estão destruindo crescimento, diz ministro alemão

Para Peter Altmaier, guerra comercial de Trump gera incertezas; político disse que UE não vai se curvar com pressões ao Irã

Agências, Reuters

12 Agosto 2018 | 19h05

BERLIM - O ministro da Economia da Alemanha, Peter Altmaier, criticou duramente as políticas tarifária e de sanções do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, dizendo que tais medidas estão destruindo empregos e crescimento e que a Europa não se curvará às pressões dos EUA em relação ao Irã.

Os Estados Unidos desencadearam uma dura disputa comercial com a imposição de tarifas de importação destinadas a proteger os empregos norte-americanos contra o que Trump chama de práticas comerciais desleais da China, da Europa e de outros países.

A determinação de Trump de avançar com as sanções contra Teerã, que também visam empresas europeias que fazem negócios com o Irã, abriu outra frente de batalha.

“Essa guerra comercial está desacelerando e destruindo o crescimento econômico - e isso cria novas incertezas”, disse Altmaier ao jornal Bild am Sonntag, acrescentando que os consumidores estão sofrendo mais porque as tarifas mais altas estão elevando os preços.

Altmaier elogiou o acordo alcançado pelo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, durante as negociações com Trump no mês passado, dizendo que o acordo provisório salvou centenas de milhares de empregos na Europa.

Os EUA e a União Europeia estão envolvidos em uma briga comercial depois que Trump impôs tarifas sobre as importações de alumínio e aço e Bruxelas respondeu com tarifas retaliatórias sobre alguns produtos norte-americanos.

Trump também ameaçou impor tarifas sobre as importações de automóveis da UE, mas chegou a um acordo para adiar a ação depois de se reunir com Juncker na Casa Branca no mês passado.

“O acordo entre a UE e os EUA só pode ser um primeiro passo. Nosso objetivo é uma ordem de comércio global com tarifas mais baixas, menos protecionismo e mercados abertos”, disse Altmaier.

Voltando às sanções dos EUA contra o Irã, o ministro disse que a Alemanha e seus aliados da UE vão continuar apoiando as empresas que fazem negócios com o Irã, apesar da pressão dos EUA.

“Não vamos deixar que Washington nos dite com quem podemos fazer negócios e, portanto, vamos nos ater ao Acordo Nuclear de Viena para que o Irã não possa construir armas atômicas”, disse Altmaier.

As empresas alemãs devem poder continuar a investir no Irã tanto quanto quiserem, e o governo alemão está procurando maneiras, junto com seus aliados europeus, para garantir que as transações financeiras ainda possam ocorrer, acrescentou.

Várias empresas europeias suspenderam os planos de investir no Irã à luz das sanções dos EUA, incluindo a petroleira Total, bem como as montadoras PSA, Renault e Daimler.

Associações comerciais alemãs alertaram que as empresas estão sofrendo cada vez mais com as políticas de sanções de Trump – incluindo aquelas contra o Irã –, bem como as tarifas que ele está impondo na escalada do conflito comercial com a China.

As disputas comerciais e de sanções estão assombrando as perspectivas de crescimento para a Alemanha, a maior economia da Europa, mas Altmaier disse que espera um forte crescimento este ano devido à demanda doméstica vibrante, ao emprego recorde e ao aumento dos salários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.