Tarifas postais poderão ficar mais caras

O ministro as Comunicações, Miro Teixeira, solicitou ao ministro da Fazenda, Antonio Palocci, autorização para reajustar as tarifas postais para pessoas físicas em 10,77%, em média, e as comerciais, numa média de 22,53%. Os reajustas máximos, conforme a solicitação, serão de 14% para a correspondência não comercial e de 24% para a comercial. Se aceita a proposta, a carta comum, no primeiro porte (até 20 gramas), passará de R$ 0,45 para R$ 0,50, com reajuste de 11,11%. Nas cartas comerciais, o primeiro porte passará de R$ 0,60 para R$ 0,74, com reajuste de 23,33%. Para as correspondências internacionais, o reajuste solicitado é de 24%, embora a variação cambial desde maio de 2000, data do último reajuste, tenha sido de 67%. Miro argumenta, na correspondência a Palocci, que os índices propostos estão abaixo dos índices de correção monetária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.