Tarifas telefônicas devem aumentar

As tarifas de telecomunicações poderão ser reajustadas em média 14,21% a partir do próximo dia 22. O último aumento ocorreu há um ano. De acordo com o contrato de concessão, será utilizado como parâmetro a variação do IGP-DI, da Fundação Getúlio Vargas, no período de abril de 1999 a maio de 2000.O aumento ainda não foi discutido formalmente pelo conselho diretor da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que irá se reunir na próxima quarta-feira. As operadoras já vêm formalizando os pedidos de reajuste e os conselheiros ainda deverão aprovar os porcentuais de aumento para cada um dos itens de serviço, como habilitação residencial, assinatura mensal, pulso local e minuto de ligação. Reajuste compensado As empresas podem pleitear um aumento de até 9% em alguns destes serviços, desde que compensem com uma redução em outros itens. No final, a chamada "cesta de serviços" deverá ter o mesmo aumento para todas as empresas, mas um serviço poderá ser mais caro ou barato que o de outra. As operadoras de telefonia fixa também deverão promover um desconto de 2% sobre o porcentual autorizado para as chamadas de longa distância nacionais, a título de ganho de produtividade. Para a Embratel e a Intelig, únicas autorizadas a fazer chamadas internacionais, o desconto será de 15%. Segundo o presidente da Anatel, Renato Navarro Guerreiro, o Ministério da Fazenda não será consultado nem precisará dar o aval sobre o aumento. Guerreiro não quis adiantar qual será a data de autorização do reajuste, mas também não descartou a possibilidade de ele ocorrer na próxima semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.