Tata Steel eleva preço do aço; China Steel estuda reajustes

A demanda continua forte em setores como o automotivo e o de construção

Marcílio Souza, da Agência Estado,

04 Janeiro 2010 | 12h20

As ações da indiana Tata Steel, oitava maior siderúrgica do mundo, fecharam em alta de 2,7% nesta segunda-feira em Mumbai, após a companhia elevar os preços de seus produtos planos entre mil e 1,5 mil rupias (US$ 21,6 e US$ 32,4) por tonelada.

 

"Estamos vendo reajustes generalizados entre as empresas e acreditamos que esses preços sejam sustentáveis. A demanda continua forte e os setores de consumo final, como o automotivo e o de construção, estão se saindo bem também", disse um analista local. Ele acrescentou que "os preços na China estão subindo e que isso é um bom indicador de tendência para o restante do mundo".

 

Nesta segunda-feira, 4, o vice-presidente executivo da China Steel, a maior siderúrgica de Taiwan em receita, disse que a companhia deverá reajustar seus preços domésticos em março por causa demanda local forte. "A tendência é de alta. Todos esperam que os preços do carvão e do minério vão subir, portanto, os clientes estão recompondo estoques", disse L.M. Chung, acrescentando que os preços das matérias-primas deverão subir pelo menos 20% em comparação com os níveis de 2009.

 

Esse seria o primeiro aumento desde a elevação promovida no bimestre outubro/novembro. Chung recusou-se a estimar a magnitude do possível reajuste, dizendo que a companhia tomará uma decisão no final deste mês ou início do próximo.

 

Ele alertou, no entanto, que o excesso de capacidade da siderurgia chinesa continua sendo motivo de preocupação para o mercado. A empresa planeja fechar um alto-forno com capacidade de 1,9 milhão de toneladas neste mês, durante seis meses, para manutenção. Ao todo, a companhia opera quatro altos-fornos com uma capacidade anual total de 10 milhões de toneladas. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Tata Steel China Steel aço

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.