Tatuzinho investe R$ 300 mil no Velho Barreiro Ice

O Velho Barreiro Ice, bebida pronta para beber, feita com limão, cachaça e água com gás, de baixo teor alcoólico (7%), chega ao mercado neste final de semana e, em seguida, segue para o exterior. O produto é fabricado pelo Grupo Tatuzinho, primeira empresa a lançar a caipirinha em lata. A meta é ampliar o mix de produtos do segmento cachaça e aumentar a identificação do público consumidor com a caipirinha."Nossa expectativa é que a nova bebida seja consumida, principalmente, por jovens de 18 a 35 anos de todas as classes, além do público que consome cerveja", conta César Rosa, presidente do Tatuzinho. Para isso, a empresa disponibilizará a Velho Barreiro Ice, prioritariamente, em lojas de conveniência, auto-serviços e casas noturnas.Os investimentos somaram R$ 300 mil entre desenvolvimento e marketing. O objetivo é ampliar o portfólio de bebidas produzidas com cachaça para agregar valor à marca Velho Barreiro.Comercializada em garrafa de vidro de 300 ml ao preço médio de R$ 2,00, a bebida quer conquistar um nicho de mercado que as bebidas "ice" ainda não priorizaram até hoje: a classe C. "Queremos popularizar a bebida ?ice?. Para isso, apostamos no fator preço e na base de consumo da cachaça", afirma Rosa. O grupo espera vender 25 mil caixas por mês da bebida no mercado nacional e embarcar 10 mil caixas por mês para os EUA, Japão e países da Europa.Hoje, os produtos do grupo estão presentes em mais de 40 países, como Japão, Espanha, Portugal, Inglaterra, França e Alemanha. No ano passado, o grupo exportou 1,2 milhão de litros de cachaça e investiu US$ 800 mil para lançar a caipirinha em lata. Nesse ano, a empresa também lançou a Batida de Coco Velho Barreiro, exclusiva para exportação.O Grupo Tatuzinho é um dos maiores produtores de aguardente do Brasil. A companhia possui duas fábricas no Estado de São Paulo: em Rio Claro e Piracicaba, e emprega mais de 600 pessoas. No mercado brasileiro de aguardentes, os produtos do grupo são distribuídos em todos os Estados do País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.