REUTERS/ALAN SANTOS
REUTERS/ALAN SANTOS

Taxa de administração de fundos ‘mono ação’ pode chegar a 3% ao ano

Pesquisa mostra 66 fundos que investem em um só ativo, principalmente Petrobras e Vale; para especialistas, taxa deveria ser muito baixa, já que quase não há trabalho

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

10 de julho de 2022 | 05h00

Na oferta da Eletrobras, que marcou a privatização da companhia, 370 mil trabalhadores compraram ações utilizando parte do saldo do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A demanda foi tamanha que os investidores não conseguiram comprar todas as ações que desejaram. Para atrair esses recursos, bancos e corretoras lançaram mais de 20 fundos com o propósito único de comprar ações da empresa de energia na oferta.

A disputa pelos recursos do FGTS na oferta se tornou tão grande que o reflexo chegou às taxas de administração cobradas pelo mercado. Elas começaram, na média, em 1%, mas chegaram a cair de forma generalizada, chegando em algumas casas a 0,2% ao ano.

No entanto, essa não é a realidade de outros fundos no mercado que têm investimento em uma única ação listada na Bolsa. Levantamento realizado por Einar Rivero, por meio da plataforma Economatica/TC, mostra que há 66 fundos de investimento “mono ação”, a maioria com ações da Vale ou Petrobras. O estudo não contabiliza fundos que foram lançados recentemente no âmbito da privatização da Eletrobras. 

Desses fundos, 39 cobram mais do que 1% de taxa de administração, sendo que três cobram 3% anualmente, esses geridos pelo Itaú Unibanco. O fundo com maior número de cotistas é um administrado pelo Banco do Brasil, com 35 mil e um patrimônio na casa de R$ 1 bilhão, apenas com ações da Vale. A cobrança é de 2% aos cotistas. Isso significa que, sem esforço de gestão, o fundo rende à instituição financeira cerca de R$ 20 milhões anualmente. Procurados, Itaú e BB não comentaram.

A concentração em ações de Vale e Petrobras é explicada porque, assim como a Eletrobras, foi liberado antes o uso do FGTS do trabalhador para compra de ações dessas duas companhias, o que impulsionou o interesse do trabalhador. Além desses casos, também há fundos mono ação com papéis da Cielo, BB Seguridade e Bradesco.

A taxa de administração é cobrada para remunerar o gestor do fundo pelo trabalho de seleção dos ativos que irão compor a carteira. No entanto, em um fundo mono ação, esse trabalho não existe, já que ele foi constituído para comprar apenas uma ação, não podendo diversificar o portfólio com outros ativos.

“Fundos mono ação deveriam cobrar taxas de administração extremamente baixas, pois não há praticamente nenhum trabalho em gerir uma carteira com uma única ação. Basta comprar e vender a ação dessa única empresa conforme os saques e depósitos feitos no dia. E um bom algoritmo faz essa tarefa sem a necessidade de qualquer intervenção humana rotineira”, diz o professor da escola de economia da FGV Henrique Castro. Isso porque as taxas cobradas podem corroer grande parte do ganho do investidor – isso se as ações subirem, visto que a cobrança da taxa ocorre mesmo em um momento de desvalorização. Portanto, os investidores devem estar atentos a quanto estão pagando por este serviço.

Segundo a sócia-fundadora da Vtech, Ilana Bobrow, investidores entram nesses fundos mirando uma oportunidade de retorno e muitas vezes acabam não analisando quais são as taxas cobradas. “E a verdade é que a rentabilidade final vem descontada desse pedágio – justificado, sem dúvida, pelo trabalho da equipe de gestão, mas que, muitas vezes, pode ser abusivo, especialmente em fundos mono ativo”, afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.