Taxa de analfabetismo recua, aponta IBGE

Maior redução ocorreu no Nordeste, mas treze milhões de brasileiros não sabiam ler ou escrever em 2013

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

18 de setembro de 2014 | 10h00

RIO - Treze milhões de brasileiros não sabem ler ou escrever. A taxa de analfabetismo das pessoas com 15 anos ou mais é de 8,3% - redução de 0,4 ponto porcentual em relação a 2012, quando o índice era de 8,7%. Em um ano, 297,7 mil pessoas aprenderam a ler.

A maior redução ocorreu no Nordeste. A taxa caiu de 17,4% da população nessa faixa etária para 16,6%. Ainda assim, é nessa região que estão 53,6% dos analfabetos do País. A região Sudeste concentra 24,2% dos analfabetos.

A taxa de analfabetismo entre as pessoas com menos de 30 anos é de menos de 3%. O problema se agrava na faixa etária entre 40 e 59 anos, em que a taxa é de 9,2%; e a partir dos 60 anos, quando o analfabetismo alcança 23,9% dos brasileiros.

Mulheres eram a maioria dos analfabetos em 2013 (50,6%). Nas regiões Sudeste e Sul, essa proporção ficou acima da média nacional; 56,2% e 55,6%, respectivamente.

O nível de instrução do brasileiro melhorou como um todo. As pessoas com Ensino Fundamental incompleto caíram de 33,5% para 31,2%. Com Ensino Médio incompleto passou de 4% para 3,9%. O porcentual daqueles que terminaram esses ciclos de ensino subiu de 9,8% para 10% (fundamental) e de 25,2% para 25,9% (médio). A proporção de brasileiros que terminou o ensino superior passou de 12% para 12,9%. 

Mais conteúdo sobre:
pnad 2013

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.