Taxa de cheque especial é a menor desde 1995, destaca Procon

A Fundação Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo, realizou em onze instituições financeiras, entre os dias 06 e 07 de novembro, pesquisa de taxas de juros e cheque especial para pessoa física. Os valores cobrados para o cheque especial atingiram o menor patamar histórico da pesquisa desde sua implementação, em janeiro de 1995. A taxa para novembro deste ano é de 8,29% ao mês. Houve uma redução de 0,05 pontos percentuais em relação ao mês passado, o que representa uma redução de 0,60%.A taxa média dos bancos pesquisados foi de 8,29% ao mês, sendo inferior à do mês anterior, 8,34% ao mês. As três maiores quedas verificadas nas taxas de cheque especial foram: BCN (alterou de 9,45% para 9,30% ao mês); Bradesco (alterou de 8,37% para 8,29% ao mês); e Unibanco (alterou de 8,45% para 8,37% ao mês).O Procon-SP também constatou um decréscimo de 0,14 pontos porcentuais em relação ao mês de outubro para as taxas médias de empréstimo pessoal, que ficou em 5,36% ao mês. Esta é a menor taxa desde setembro de 2001, quando o juro para este tipo de empréstimo era de 5,28% ao mês. As três maiores quedas verificadas nas taxas de empréstimo pessoal foram apuradas nos bancos Bradesco (alterou de 5,87% para 4,36% ao mês); Caixa Econômica Federal (alterou de 5,81% para 5,71% ao mês); e Itaú/BCN (alteraram de 5,90% para 5,83% ao mês e de 5,87% para 5,80% ao mês, respectivamente).BB é único a aumentar taxasO único banco que aumentou suas taxas, tanto de empréstimo pessoal quanto de cheque especial, foi o Banco do Brasil. No empréstimo pessoal, alterou de 4,90% para 5,30% ao mês, significando um acréscimo de 0,40 pontos porcentuais. No cheque especial, alterou de 7,55% para 7,61% ao mês, representando um acréscimo de 0,06 pontos percentuais.Metodologia da pesquisaOs bancos pesquisados foram HSBC, Banespa, Bradesco, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú, Santander, Nossa Caixa, Real, Unibanco e Banco de Crédito Nacional (BCN). Considerando que existe a possibilidade de variação da taxa do empréstimo pessoal em função do prazo do contrato, foi estipulado o período de 12 meses, já que todos os bancos pesquisados trabalham com este prazo. Vale lembrar que os dados coletados referem-se às taxas máximas pré-fixadas para clientes não preferenciais, sendo que para o cheque especial foi considerado o período de 30 dias. A Fundação Procon-SP coloca o resultado da pesquisa à disposição dos interessados para consulta nos postos de atendimento pessoal (PoupaTempo Sé, Santo Amaro e Itaquera) ou pelo telefone (11) 3824-0446.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.