DARIO OLIVEIRA/CÓDIGO19
DARIO OLIVEIRA/CÓDIGO19

Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Taxa de desemprego aumentou de 6,5% em 2013 para 6,9% em 2014

O número de desempregados aumentou em 600 mil pessoas de 2013 para 2014, um crescimento de 9,3% no período de um ano, segundo pesquisa do IBGE

Daniela Amorim, Roberta Pennafort e Vinicius Neder, O Estado de S. Paulo

13 de novembro de 2015 | 10h00

RIO - O País criou 2,7 milhões de postos de trabalho na passagem de 2013 para 2014, mas o número de novas vagas não foi suficiente para absorver o aumento na procura por emprego. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad 2014), divulgada neste sexta-feira, 13, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em 2014, embora a população ocupada tenha avançado 2,9%, a fila do desemprego cresceu ainda mais: 9,3%. Segundo o IBGE, houve pressão dos inativos que passaram a buscar uma vaga. A taxa de desemprego aumentou de 6,5% em 2013 para 6,9% em 2014.

"A taxa de desocupação aumenta porque as pessoas que estão saindo da inatividade estão pressionando e procurando trabalho", justificou Maria Lucia Vieira, gerente da Pnad no IBGE.

O número de desempregados aumentou em 600 mil pessoas de 2013 para 2014, um crescimento de 9,3% no período de um ano. Em todo o País, são 7,254 milhões de pessoas na fila do desemprego.

A pesquisa mostrou também elevação na proporção de trabalhadores informais. A fatia de empregados sem carteira assinada no setor privado avançou 0,5 ponto porcentual, para 21,5% do total. Já o trabalho por conta própria, que costuma abrigar atividades marcadamente informais, como comerciantes ambulantes, cresceu 0,7 ponto porcentual, para uma fatia de 21,4% do total de ocupados.

"Atividades como a indústria, que tem um porcentual grande de trabalhadores com carteira, tem um crescimento cada vez mais modesto, com impacto sobre esse tipo de vínculo. A parte dos serviços prestados a empresas, que tem alto grau de formalização, é um ramo que tem apresentado também menor absorção de trabalhadores", justificou Adriana Beringuy, técnica da Coordenação de Emprego e Rendimento do IBGE.

A indústria teve o pior crescimento (0,5%) no pessoal ocupado em 2014 entre os diversos setores pesquisados. O número de vagas nos serviços aumentaram 2,6%; no comércio, 5,0%; no setor agrícola, 3,4%; e na construção, 2,5%.

A Pnad apurou que o País tinha 98,621 milhões de pessoas ocupadas com 15 anos ou mais de idade, sendo 35,073 milhões delas com carteira de trabalho assinada no setor privado em atividade não agrícola.

Tudo o que sabemos sobre:
economiaPnad 2014desemprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.