Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Taxa de desemprego cai a 5,2% em julho no Japão

A taxa de desemprego no Japão caiu para 5,2% em julho, ante os 5,3% de junho, informou hoje o governo do país. O resultado ficou abaixo do nível de 5,3% previsto pelos economistas. A taxa deve permanecer no atual nível mesmo que a recuperação da produção industrial aumente o número de horas trabalhadas, uma vez que as empresas não estão confiantes o suficiente para tomar a iniciativa de contratar novos empregados, disseram analistas.

CYNTHIA DECLOEDT E CLARISSA MANGUEIRA, Agencia Estado

27 de agosto de 2010 | 07h55

Em outra divulgação do dia, o núcleo do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) do Japão caiu 1,1% em julho, na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo informou o Ministério de Negócios Internos e Comunicação. O resultado, que marcou o 17º mês consecutivo de declínio, ficou em linha com a média das previsões dos economistas. O núcleo do CPI, que exclui os preços dos alimentos frescos, recuou 1% em junho.

O núcleo do CPI da área metropolitana de Tóquio - um indicador importante da tendência da inflação no país - caiu 1,1% em agosto, um resultado levemente melhor que a projeção dos economistas, de queda de 1,2%.

Consumo

O consumo das famílias do Japão subiu 1,1% em julho, na comparação com o mesmo período do ano passado, marcando o segundo mês consecutivo de expansão. O resultado foi menor que a média das previsões dos economistas, que esperavam um aumento de 1,4%.

Segundo analistas, a recuperação do consumo pode desacelerar, uma vez que os efeitos das medidas de estímulo econômico adotadas pelo governo podem diminuir e a queda nos preços das ações pode impactar negativamente a confiança do consumidor. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
desempregotaxainflaçãoconsumoJapão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.