Taxa de desemprego da OCDE sobe a 7,8%, máxima em 15 anos

Indicador, que engloba os 29 países da Organização, está a apenas 1 ponto porcentual do maior nível da história

Cynthia Decloedt, da Agência Estado, e Dow Jones,

09 de junho de 2009 | 10h33

A taxa de desemprego entre os 29 países que compõem a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) atingiu em abril seu nível mais elevado em 15 anos, refletindo o peso da recessão sobre no mercado de trabalho mundial.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

O indicador subiu para 7,8% em abril, de 7,7% em março, superando a taxa de abril de 1994, disse o grupo. A taxa, que subiu 2,2 pontos porcentuais desde abril do ano passado, está apenas um ponto porcentual abaixo do nível mais elevado atingido desde que registros comparáveis foram iniciados, em 1988, informou a OCDE.

 

A taxa de desemprego entre os países que compõem o G-7 - Canadá, França, Alemanha, Itália, Reino Unido, Estados Unidos e Japão - subiu para 7,7% em abril, de 7,5% em março, a taxa mais elevada desde que os registros foram iniciados, em 1992, e 2,2 pontos porcentuais acima de abril do ano passado.

 

Entre os 16 países que utilizam o euro, a taxa de desemprego subiu para 9,2% em abril, de 8,9% em março, 1,9 ponto porcentual acima dos 12 meses anteriores.

Tudo o que sabemos sobre:
crise financeiraempregoOCDE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.