Taxa de desemprego em sete regiões cai para 10,5% em 2011, afirma Dieese

Total de desempregados foi estimado em 2,318 milhões, 302 mil a menos do que em 2010 

Anne Warth e Wladimir D'Andrade, da Agência Estado,

31 de janeiro de 2012 | 10h03

SÃO PAULO - A taxa de desemprego total nas sete regiões metropolitanas consultadas pela pesquisa de Emprego e Desemprego feita pelo Dieese em conjunto com o Seade caiu de 11,9% em 2010 para 10,5% em 2011. O total de desempregados foi estimado em 2,318 milhões de pessoas no ano passado, ou seja, 302 mil a menos do que em 2010. O rendimento médio real dos ocupados no conjunto das regiões pesquisadas subiu 0,2% em 2011, com valor médio equivalente a R$ 1.412.

Em dezembro, a taxa de desemprego atingiu 9,1% ante 9,7% em novembro. O rendimento médio real dos ocupados cresceu 0,7% em novembro ante outubro, alcançando R$ 1.443. Em relação a novembro de 2010, o rendimento médio caiu 2%. A taxa de desemprego era de 10,1% em dezembro de 2010. Em dezembro de 2011, o contingente de desempregados somava 2,020 milhões, 142 mil a menos do que no mês de novembro.

São Paulo

Na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), a taxa de desemprego caiu para 10,5% em 2011, ante 11,9% em 2010. Em 2011, o total de desempregados foi estimado em 1,127 milhão de pessoas, inferior aos 1,273 milhão de 2010.

Já o rendimento médio real dos ocupados aumentou 1,1% em 2011 na mesma região, na comparação com 2010, e passou a valer R$ 1.527.

A Fundação Seade e o Dieese também divulgaram a taxa de desemprego de dezembro na RMSP que caiu para 9%, ante 9,5% em novembro. Em dezembro de 2010, o desemprego estava em 10,1%. O contingente de desempregados foi estimado em 968 mil pessoas no mês passado, 58 mil a menos que no mês anterior.

O rendimento médio real dos ocupados subiu 0,5% em novembro, ante outubro, e passou a valer R$ 1.574. Na comparação com novembro de 2010, o rendimento médio real dos ocupados subiu 2,9%.

Tudo o que sabemos sobre:
desempregobrasilseadedieese

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.