Taxa de desemprego na Inglaterra é a maior desde 1996

Pedidos de auxílio-desemprego chegaram a 1,607 milhão em agosto, mas ritmo do aumento diminuiu

Reuters

16 de setembro de 2009 | 07h46

O número de britânicos pedindo auxílio-desemprego aumentou em 24.400 no mês de agosto, acima do previsto, e a taxa de desemprego atingiu o maior patamar desde 1996, informou a agência nacional de estatísticas nesta quarta-feira, 16.

Veja também:

link Crise ainda pode causar 10 mi de demissões na região da OCDE

especial Um ano após auge da crise, economia se recupera

especial PIB cresce 1,9% e Brasil sai da recessão

especial Dicionário da crise 

especial Como o mundo reage à crise

 

Os pedidos de auxílio-desemprego totalizaram 1,607 milhão em agosto, maior leitura desde maio de 1997. Mas o aumento ficou abaixo do de julho, quando 25.200 britânicos pediram o auxílio, e é menor que os patamares registrados no começo do ano.

O número de britânicos desempregados aumentou em 210 mil no trimestre encerrado em julho, elevando a taxa de desemprego para 7,9%, 0,7 ponto porcentual acima da taxa registrada nos três meses imediatamente anteriores e a maior desde o período de setembro a novembro de 1996.

 

Os salários médios, excluindo bônus, subiram 2,2% nos três meses encerrados em julho, na comparação com o mesmo período do ano passado, o nível mais baixo desde que os registros começaram, em 2001. Incluindo bônus, os salários médios aumentaram 1,7% na mesma base de comparação, segundo a agência Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROINGLATERRADESEMPREGO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.