REUTERS/Larry Downing
REUTERS/Larry Downing

Taxa de desemprego nos Estados Unidos fica em 4,4%

A economia gerou 222 mil postos de trabalho na passagem do mês, resultado acima da expectativa de analistas

O Estado de S.Paulo

07 Julho 2017 | 11h40

WASHINGTON - O ritmo de contratação nos Estados Unidos cresceu em junho ante maio considerando-se ajustes sazonais, segundo dados do Departamento de Trabalho do país. A economia gerou 222 mil postos de trabalho na passagem do mês, resultado acima da expectativa de analistas, que previam criação de 174 mil empregos.

 A Bovespa deve seguir em firme alta nesta sexta-feira, amparada pelo vigor dos índices futuros das bolsas de Nova York após divulgação do relatório de empregos, dado mais aguardado da semana.  Após divulgação do dado, o dólar chegou a registrar máxima aos R$ 3,3074 (+0,24%) reagindo à criação de empregos bem acima do esperado, mas depois voltou a cair. Às 11h50 a Bolsa subia 0,02%, aos 62.482,76. No mesmo horário, o dólar caia 0,18% e estava cotado a R$ 3,29.

+ Placar da reforma trabalhista fica mais apertado

A taxa de desemprego nos Estados Unidos subiu para 4,4% em maio, de 4,3% em maio, segundo dados do Departamento do Trabalho. O resultado de junho veio acima da expectativa de analistas, que previam estabilidade da taxa a 4,3, menor nível desde 2001%. Os números de maio sofreram revisões para cima. A criação de empregos no mês foi revisada de 158 mil postos de trabalho para 207 mil.

O salário médio por hora dos trabalhadores do setor privado ficou em US$ 26,25 em maio, alta de US$ 0,04 (ou 0,15%) ante o mês anterior. A projeção do mercado era de ganho maior, de 0,30%. Na comparação anual, o crescimento dos salários se manteve em 2,5% no período.

 

A taxa de participação na força de trabalho subiu levemente de 62,7% em maio para 62,8% em junho, um pouco acima do pior patamar desde 1970, marcado no mês passado./Dow Jones Newswires

Mais conteúdo sobre:
Estados Unidos Desemprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.