Taxa de desemprego nos EUA cai para 5,7%

A taxa de desemprego caiu nos Estados Unidos em janeiro para o menor nível em três meses, com as empresas abrindo o maior número de postos de trabalho nos últimos dois anos. O Departamento do Trabalho informou que o número de vagas criadas na economia norte-americana aumentou 143 mil em janeiro, parcialmente revertendo a redução de 156 mil no número de postos de dezembro. A criação de vagas foi a mais forte desde novembro de 2000 e fez a taxa de desemprego cair de 6% em dezembro para 5,7% em janeiro. Os números retrataram que o ambiente no mercado de trabalho dos Estados Unidos estava melhor do que o esperado pelos analistas em janeiro. O consenso de analistas consultados pela Dow Jones Newswires e CNBC era que houvesse aumento de 60 mil no número de postos ofertados e que a taxa de desemprego permanecesse em 6%. A melhora do dado sobre mercado de trabalho foi sustentada principalmente pela criação de 101 mil postos pela indústria relacionada ao varejo, um setor considerado sujeito a variações bruscas de quadros. Nesse grupo estão a indústria a construção, que ampliou as vagas em 21 mil. A indústria produtora de serviços, que inclui o comércio varejista, abriu 143 mil postos. A indústria manufatureira continuou reduzindo funcionários. Houve um declínio de 16 mil postos em janeiro nesse setor, após queda de 80 mil em dezembro. Com o crescimento econômico enfraquecido e as preocupações sobre a guerra contra o Iraque, as empresas norte-americanas reduziram cerca de 2 milhões de empregos nos últimos dois anos. O relatório do departamento informou ainda que o ganho médio por hora ficou inalterado em US$ 14,98, em janeiro, após aumento de 0,3% em dezembro. Vendas no atacado caem 0,8%Os estoques do atacado dos Estados Unidos subiram 0,8% em dezembro, para o nível sazonalmente ajustado de US$ 287,26 bilhões, informou hoje o Departamento do Comércio. A alta foi a maior desde junho de 2000 e liderada por elevação nos estoques de petróleo. As vendas no atacado caíram 0,8% no mesmo mês, para US$ 233,66 bilhões. Para novembro, a variação dos estoques foi revisada a alta de 0,3%, de avanço de 0,2% informado anteriormente. As vendas cresceram 1,1% em novembro, de elevação de 1,2% antes. A alta dos estoques em dezembro superou a previsão dos economistas, de elevação de apenas 0,1%. A média estoques/vendas, que avalia por quantos meses as empresas poderão utilizar seus estoques, subiu a 1,23 em dezembro, do recorde de baixa de 1,21 em novembro. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.