Taxa de desemprego nos EUA é a maior em nove anos

A taxa de desemprego nos Estados Unidos subiu em maio para o maior nível em nove anos, com as empresas continuando a enxugar seus quadros, mas com uma agressividade menor do que a projetada pelos economistas. O Departamento do Trabalho informou que a taxa de desemprego subiu de 6% para 6,1%, o maior nível desde julho de 1994. O números de vagas ofertadas no mercado caiu em 17 mil, em maio, após terem ficado estáveis em abril. A taxa de desemprego ficou em linha com a estimativa consensual dos analistas, mas a redução das vagas foi inferior ao corte de 25 mil esperado. Essa última estatística do Departamento do Trabalho deve gerar interpretações divergentes, uma vez que reflete também uma revisão dos dados sobre o mercado de trabalho norte-americano a partir de abril de 2001. O departamento alterou a forma como calcula o dado sobre vagas e ampliou as categorias de empregos. Os novos resultados indicaram que 131 mil vagas foram cortadas pelas empresas desde o início do ano, contrastando com estimativa anterior que havia apontado enxugamento de mais de meio milhão.O setor manufatureiro voltou a ser o que mais enxugou vagas em maio. Foram 53 mil reduções. Desde julho de 2000, o setor perdeu 2,6 milhões de postos. O setor de produção de serviços ampliou 12 mil postos. Houve uma queda de 14 mil no número de vagas no varejo, enquanto a indústia de construção abriu 26 mil postos. Os norte-americanos tiveram um ganho por hora trabalhada de cinco centavos, ou 0,32%, para US$ 15,34 em maio, após nenhum melhora em abril. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.