Taxa de juros e carga tributária

A percepção de que a carga tributária brasileira é estratosférica - cerca de 35% do Produto Interno Bruto (PIB) - decorre da desproporcionalidade entre a sua magnitude e o retorno à sociedade na forma de serviços públicos: o contribuinte paga muito imposto e tem pífia contrapartida na forma de educação, saúde, segurança pública, etc. A Suécia, por exemplo, tem carga tributária equivalente a 50% do PIB, mas seus cidadãos se sentem confortáveis com o peso dos impostos pois recebem contrapartida do governo.

Clóvis Panzarini, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2011 | 00h00

O maior problema fiscal do Brasil é a qualidade do gasto. É de relevar, por exemplo, que quase um quinto (17%) de toda essa dinheirama arrecadada equivale às despesas do governo com o pagamento de juros, cujo retorno é zero para o contribuinte. Num condomínio, essa parcela da arrecadação seria contabilizada como "chamada extra" para pagamento de déficits pretéritos. Neste ano, os gastos com juros do setor público devem atingir cerca de R$ 230 bilhões, o equivalente a 5,6% do PIB, quase 15 vezes o que o governo deve gastar com o Programa Bolsa-Família e mais de seis vezes o valor dos investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). De outro lado, a meta de superávit primário - a "poupança" que o governo espera obter neste ano para pagar os juros da dívida - é de R$ 118 bilhões, pouco mais da metade dos juros primários que deverão ser pagos no ano. Isso significa que a outra metade será honrada com novas emissões de títulos, que gerarão despesas adicionais com juros.

Só esse adicional de juros com os novos "papagaios" equivalerá no ano que vem a algo parecido com o gasto total com o Bolsa-Família. Cada vez que o Comitê de Política Monetária, o Copom, aumenta a taxa Selic, que corrige 35% da dívida interna em títulos do Tesouro, a necessidade de recursos para pagamento de juros aumenta. Em 2011, os juros básicos já subiram um ponto porcentual e devem aumentar ainda mais. O governo eleva a taxa de juros para conter a inflação, mas esse amargo remédio monetarista tem dois efeitos colaterais: aumenta as suas próprias despesas financeiras e atrai dólares para o mercado brasileiro, valorizando ainda mais o real, para desespero do setor produtivo, que perde competitividade para os produtores do resto do mundo, tanto no mercado internacional quanto no doméstico.

Além da elevação dos juros, a inflação ascendente também aumenta os gastos financeiros do setor público, pois cerca de 30% dos títulos da sua dívida são indexados a índices de preços. Esse fabuloso gasto com juros ocorre porque a dívida pública é muito elevada, embora sua trajetória seja cadente em relação ao PIB.

Também o processo de acumulação de reservas internacionais, hoje acima de US$ 300 bilhões, ainda que seja importante fator de confiança na capacidade de solvência do País perante o resto do mundo (graças a essas reservas o Brasil passou quase incólume pela crise econômica mundial de 2008), impõe um custo financeiro enorme ao Tesouro - vale dizer, a todos nós, contribuintes. O governo toma dinheiro emprestado a 11,75% ao ano para comprar dólares que rendem próximo de 0% ao ano. Quanto mais alta a taxa de juros, maior o custo financeiro das reservas em dólares. O Tesouro também empresta dinheiro ao BNDES à taxa de 6% ao ano, enquanto seus débitos, vinculados à taxa Selic, custam quase 12% ao ano. A diferença, obviamente, quem paga é o contribuinte.

Revolta, pois, o esbanjamento de dinheiro público cotidianamente noticiado, praticado por um governo que não consegue pagar sequer os juros de sua dívida, que devoram 17% da carga tributária. Um pouco de austeridade no gasto público permitiria mitigar essa "chamada extra". Quando o contribuinte-eleitor se conscientizar de que é de seu bolso que sai cada centavo que o governo gasta, certamente será mais criterioso na hora de votar.

ECONOMISTA, SÓCIO-DIRETOR DA CP CONSULTORES ASSOCIADOS LTDA. (WWW.CPCONSULTORES.COM.BR), FOI COORDENADOR TRIBUTÁRIO DA SECRETARIA DA

FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.