finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Taxa de pobreza na Argentina recua no 1º semestre deste ano

O Instituto Nacional de Estatística da Argentina (Indec) informou que a taxa de pobreza caiu para 44,3% da população no primeiro semestre deste ano, de 47,8% no segundo semestre de 2003. O número de argentinos vivendo em pobreza extrema caiu para 17,0% no primeiro semestre de 2004, de 20,5% na segunda metade do ano passado.O Indec classifica pobreza como a incapacidade de comprar uma cesta básica de alimentos e de pagar por serviços tais como educação, saúde e transporte. Pobreza extrema é definida como a incapacidade de comprar a cesta básica.O cálculo da taxa de pobreza é feito a partir de dados coletados em 28 centros urbanos, que representam 70% da população que vive em cidades e 60% da população do país.Segundo o Indec, a cidade de Buenos Aires continua a ter a menor taxa de pobreza da Argentina, 15% no primeiro semestre deste ano; nos subúrbios em torno da capital, a taxa de pobreza era de 50,9%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.