finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Taxa média de juros no cheque especial cai 10 pontos

A taxa média de juros cobrada pelos bancos no cheque especial registrou uma queda de 10 pontos porcentuais entre julho e agosto, a maior redução entre as taxas praticadas pelo sistema financeiro nas diversas modalidades de financiamento no período. De acordo com levantamento feito pelo Departamento Econômico (Depec) do Banco Central, a taxa média de juros cobrada nessa modalidade de crédito caiu de 173,9% ao ano para 163,9% ao ano, voltando ao patamar registrado em dezembro de 2002.Na média geral, as instituições financeiras cobraram uma taxa de juros de 74,5% ao ano para empréstimos a pessoas físicas e de 36,3% ao ano para empresas. A taxa média de juros para pessoas físicas praticada em agosto ficou 3,4 pontos porcentuais abaixo da registrada em julho. "As retrações mais expressivas foram registradas nas carteiras de cheque especial (10 pontos porcentuais) e crédito pessoal (4,2 pontos porcentuais)", destacam os técnicos do Depec que elaboraram os dados. No caso das empresas, a queda foi menor: 1,4 ponto porcentual. "Esse resultado reflete o comportamento das taxas praticadas em empréstimos pactuados com juros prefixados e com flutuantes, que diminuíram, cada, 1,6 ponto porcentual", explicam os técnicos do BC. Em termos de spread, os bancos cobraram das empresas uma taxa média de 14,5%, praticamente igual aos 14,6% registrados em julho. No caso das pessoas físicas, o spread bancário caiu de 56,4% ao ano para 53,6% ao ano. O spread é a diferença entre a taxa de captação de recursos dos bancos e a taxa cobrada dos tomadores finais de empréstimo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.