Taxa Selic será a principal arma do BC contra a inflação

O Banco Central vai usar os juros como principal instrumento no combate à inflação, segundo fontes ligadas ao governo. Embora tenha adotado as chamadas medidas macroprudenciais é principalmente por meio da alta da Selic que o BC espera conter a alta dos preços.

, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2011 | 00h00

Desde o ano passado, o banco já elevou em 3,25 pontos porcentuais a taxa e, pelo que indica a votação do Copom de ontem, pode subir mais. A divisão entre cinco diretores do comitê favoráveis à alta de 0,25 ponto e outros dois a favor de uma alta de 0,5 ponto revela que parte do Copom quer dar uma "paulada" no juro para dar um sinal ao mercado.

Não se sabe se a economia já começou a desacelerar, e em qual velocidade, para diminuir o consumo e conter a inflação. O BC conta não só com os juros, mas também com um esforço do governo no corte de gastos para ajudar a esfriar a economia e os preços. O BC também conta com o efeito da valorização cambial para baratear as importações e combater a inflação.

Para os próximos meses, pode-se esperar novas medidas para conter a inflação, já de olho no ano que vem. "Queremos reafirmar nosso compromisso com a meta de inflação. Isso não é um jogo, é uma corrida de 100 metros", disse a fonte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.