Taxas bancárias influenciam fundos

Na hora de aplicar, o investidor deve estar atento, não só às flutuações dos mercados e aos riscos dos prazos e rentabilidades específicos de cada fundo, como às taxas de administração cobradas pelos bancos. Geralmente, os fundos de curto prazo apresentam maiores possibilidades de baixa rentabilidade ou até retornos negativos. Os de renda variável também podem ter rentabilidade negativa porque dependem das oscilações do mercado de ações e derivativos (futuros e opções). Os especialistas recomendam que para conseguir grandes resultados o dinheiro deve ficar aplicado por longo prazo. O investidor precisa ter tranqüilidade para poder sair da aplicação num momento favorável.Se o conhecimento prévio das características de cada aplicação é essencial para que o investidor escolha aquela que melhor se encaixa às suas necessidades, é bom levar em conta as taxas cobradas pelos bancos. As taxas de administração representam os custos do banco para gerir os fundos. Altas taxasO Bradesco, por exemplo, oferece vários tipos de fundos com composições de carteira e prazos específicos para cada perfil de investidor. Os riscos variam. O Faq Versátil, por exemplo, é um fundo com liquidez diária, ou seja, o cliente pode resgatar recursos todos os dias, se desejar. É um investimento de curto prazo, mas pouco rentável e com taxas de administração - 8% ao ano - maiores do que a própria rentabilidade anual, de 4,31%. Neste caso, há vantagem para aqueles que preferem o resgate imediato, mas se o objetivo é obter altos ganhos, o recomendável é aplicar o dinheiro a longo e médio prazos, opções em que os riscos são menores e as taxas cobradas pelo banco não prejudicam os rendimentos.Outros bancos também trabalham com fundos vinculados às contas correntes, como o Banco Cidade e o Citibank. No caso do Citibank, há uma única opção deste tipo de fundo: o Citi Daily Plus, que teve uma rentabilidade de 9,83% do dia 25 de agosto do ano passado até a presente data . A taxa de administração média é igual a 7,57% ao ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.