Taxas de condomínio ficam estáveis

Apesar da previsão inicial de aumento das despesas de consumo nos condomínios, as taxas médias na cidade de São Paulo mantiveram a estabilidade em setembro, repetindo uma queda de 0,20% registrada em agosto. Os dados são da Associação das Administradoras de Bens Imóveis e Condomínios (Aabic). No mesmo período, a inflação medida pelo IGP-M foi de 1,16%. De janeiro a setembro, os custos condominiais apresentaram redução de 0,59%, e no acumulado de 12 meses, encerrados em setembro, houve alta de 5,66%, bem abaixo da variação do IGP-M, que foi de 15,06%.Com o final do rodízio de água da Sabesp, as despesas com o consumo aumentaram 4,67% em setembro. O maior aumento, no entanto, ficou por conta dos gastos com energia elétrica (9 47%). Os demais grupos de despesas apresentaram variações negativas, contribuindo para a estabilidade das taxas de condomínio. Os gastos com pessoal diminuíram 2,57%, e os encargos, 0,85%, enquanto as despesas gerais e eventuais caíram 7,16% e 4,08%, respectivamente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.